PSB-MG trata com cautela traição de Lacerda

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Apesar de filiado ao PSB, prefeito de BH contrariou decisão do partido e anunciou apoio ao candidato tucano a governador

Brasil Econômico

Em história já incorporada ao folclore político brasileiro, o ex-governador mineiro Tancredo Neves foi questionado sobre quais eram as dez qualidades mais importantes para um homem público. Teria respondido que as sete primeiras são: paciência, paciência, ... Segundo ele, as três últimas poderiam ser preenchidas a gosto do interlocutor. O conselho tem sido usado neste ano nas eleições de Minas. Mas não é pelo presidenciável Aécio Neves (PSDB), neto de Tancredo, e sim por um adversário ocasional, o deputado federal Júlio Delgado. O parlamentar preside do PSB local e é aliado do candidato a presidente Eduardo Campos. Para criar um palanque regional para Campos, Júlio lançou a candidatura do pai, Tarcísio Delgado, ex-prefeito de Juiz de Fora, ao governo.

Leia também:
Rede não se alia ao PSB em metade dos Estados e pode apoiar rivais

Apesar de ser filiado ao PSB, o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, contrariou a decisão do partido e anunciou seu apoio ao candidato tucano a governador, o ex-ministro Pimenta da Veiga. O deputado obviamente não gostou da decisão de Lacerda, mas preferiu não entrar em confronto com ele por enquanto. Júlio destaca a importância do prefeito da capital do Estado para a candidatura de seu pai e prefere esperar o desenrolar da campanha, na esperança de que o dissidente mude de ideia e passe a colaborar com o socialista. Por isso, decidiu que não haverá qualquer retaliação interna aos candidatos indicados por Lacerda para a eleição proporcional. Um deles é o presidente do Atlético Mineiro, Alexandre Kalil, que disputa uma vaga na Câmara dos Deputados. A expectativa é que o cartola seja um dos principais puxadores de votos de Minas.

Elogio internacional
A Comissão Interamericana de Direitos Humanos, ligada à OEA, parabenizou o Brasil pela aprovação da chamada “Lei da Palmada”. No texto, a entidade defende “a adoção de medidas legislativas que proíbam o castigo corporal contra crianças e adolescentes no lar, na escola e nas instituições responsáveis por seu cuidado”.

Liminar suspende parceria do governo paulista
O juiz Valentino de Andrade suspendeu em liminar, a pedido do MP, o contrato entre o governo paulista e a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, cujo objeto é a administração de um hospital para dependentes químicos. O presidente da entidade, Ronaldo Laranjeira, é também o coordenador do programa de combate a dependência em crack da gestão estadual. Além do que considera conflito de interesses, chamou a atenção do juiz que caberia à entidade reformar o prédio onde será a unidade. Assim, na sua interpretação, apesar de usar recurso público, a obra poderia ser feita sem licitação nem controle do TCE-SP.

Leia também:
Duração do “efeito Copa do Mundo” divide governistas e oposição
Com apoio tímido de Skaf, Dilma precisa de crescimento de Padilha em SP
Adversários e até aliados ainda não creem na disputa entre Serra e Kassab

Cuidado com a insegurança jurídica
Vice na chapa do candidato ao Palácio dos Bandeirantes Paulo Skaf (PMDB), o criminalista José Roberto Batochio tem evitado falar sobre a campanha por ora. Teme que qualquer informação divulgada antes do deferimento da candidatura pela Justiça Eleitoral seja caracterizada como propaganda antecipada. Ele também parou de ir às reuniões do Conselho Federal da OAB, do qual é membro honorário, para sua presença não ser interpretada como participação em órgão de classe, o que é vedado aos candidatos no período da disputa.

Sem confundir o cliente com o advogado
Defensor nos tribunais de políticos como o ex-ministro Antonio Palocci e o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP), José Roberto Batochio se sente incomodado com a comparação entre ele e seus clientes. “Ninguém critica o Adib Jatene por quem operou”, compara. Ele lembra que grandes políticos e ativistas da história também atuaram como advogados criminalistas, casos de Martin Luther King, Nelson Mandela, Abraham Lincoln e Gandhi.

“O custeio da operação da Copa não excedeu em ordem de grandeza aquilo que São Paulo gasta anualmente com eventos como Carnaval e a Fórmula 1”
Fernando Haddad, prefeito de São Paulo, ao anunciar que o evento injetou R$ 1 bilhão na economia da cidade

*Leonardo Fuhrmann (interino)

Leia tudo sobre: mosaico políticobrasil econômico

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas