Arruda minimiza condenação e diz que continua candidato: ‘Vou até o fim’

Por Marcel Frota e Mel Bleil Gallo , iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Candidato ao governo do DF rejeitou a possibilidade de ter candidatura impugnada por sua condenação no mensalão do DEM; ao desviar o foco, ele voltou a dizer que é alvo de golpe do PT e desafiou Dilma e Gilberto Carvalho a debater mensalão

Um dia após ter sua condenação confirmada pelo envolvimento no mensalão do DEM, o candidato do PR ao governo do DF José Roberto Arruda se disse confiante de que permanecerá até o fim na corrida eleitoral. Apoiado em jurisprudências apontadas por sua equipe jurídica para descartar a hipótese de ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa, ele afirmou que seu partido nem sequer tem um plano B para o caso de a candidatura ser impugnada.

Relembre: Justiça mantém condenação de Arruda por escândalo do mensalão do DEM

iG antecipou todos os principais momentos do caso Arruda

Governo Arruda “institucionalizou a corrupção”, diz PGR

Pivô do mensalão do DEM perde aposentadoria especial

“Vou até o fim. Minha candidatura está registrada de acordo com a lei”, afirmou o ex-governador. “Rechaçamos qualquer tipo de movimento que queira tirar essa eleição das urnas e levá-la ao tapetão e vamos disputar a eleição”, disse Arruda. Esbanjando confiança, Arruda disse ao lado de seus advogados e aliados políticos que vencerá no primeiro turno a eleição distrital. Ele acusou o governador Agnello Queiroz de tentar vencer a eleição por WO. “Ele tem medo das urnas, tem medo do julgamento popular e mais uma vez tenta ganhar a eleição no tapetão”, acusou Arruda.

Arruda desafiou a presidente Dilma Rousseff e o ministro da Secretaria-Geral da presidência, Gilberto Carvalho, a debater o escândalo do mensalão do DEM. Arruda alega que foi alvo de uma chantagem do partido da presidente para desviar os holofotes do escândalo do mensalão do PT. Ele se recusa a tratar o escândalo como mensalão do DEM e refere-se ao episódio como um golpe.

Leia mais: Jurisprudência favorece Arruda, mas Ficha Limpa ainda pode ser aplicada

“Estou absolutamente à disposição, com todo respeito, para debater, desde que seja de forma clara e não editada, com o ministro Gilberto Carvalho, com a presidente Dilma, com todos eles, sobre os pedidos que recebi para que trocasse de partido em setembro de 2009”, desafiou Arruda. “Estou absolutamente preparado para o debate. Embora meu foco agora seja regional, se quiserem vira para o debate, é só escolher local e hora”, disse ele.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas