Adversários e até aliados ainda não creem na disputa entre Serra e Kassab

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Apesar de aliados confirmarem que se enfrentarão na eleição, há quem aposte em reviravoltas na campanha ao Senado

Brasil Econômico

Assim como aconteceu nas oitavas de final da Copa do Mundo – em que todos os jogos foram decididos nos últimos minutos, na prorrogação ou mesmo nos pênaltis –, há quem aposte em mais reviravoltas na disputa ao Senado em São Paulo. O prazo final para a inscrição das candidaturas termina no próximo sábado (5). A principal dúvida é se o ex-governador José Serra (PSDB) e o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD), seu aliado político, de fato se enfrentarão. Ambos garantem que o embate acontecerá, mas, mesmo entre os pessedistas, existem dúvidas de que isso de fato ocorra. A avaliação é que o maior favorecido pelo enfrentamento seria o senador Eduardo Suplicy (PT), que busca sua recondução ao cargo, pois Serra e Kassab dividiriam um eleitorado muito parecido.

Leia mais:
Para aliado PCdoB, PT subestimou candidatura de Paulo Skaf

Além disso, o PTB anunciou um rompimento com a chapa do governador Geraldo Alckmin (PSDB), candidato à reeleição, para lançar Marlene Campos Machado ao Senado. A equipe de Suplicy aguarda a confirmação das candidaturas para decidir sua estratégia de campanha. A previsão dos petistas é que a conquista de recursos federais para São Paulo será um dos principais temas trazidos pelos adversários. O senador garante ter números na mão para rebater as críticas dos concorrentes, apesar de não fazer emendas parlamentares, segundo diz, por uma questão de coerência ideológica. O estilo considerado folclórico de Suplicy também já é alvo de ataques. O desafio de Kassab - caso mantenha sua candidatura até o fim, como tem dito - será se apresentar como uma alternativa a Serra, atual líder nas pesquisas de intenção de votos. Ao se diferenciar, corre o risco de dificultar uma futura reaproximação com o tucano.

Aliado quer Kassab contra Serra
Oposicionista ao governo de São Paulo nas gestões de José Serra e Geraldo Alckmin (ambos do PSDB), o deputado Major Olímpio (PDT) acredita que Kassab pode explorar a diferença de relacionamento com o funcionalismo público, principalmente os policiais, caso queira superar o candidato tucano. O pedetista é candidato a deputado federal e faz parte da coligação que apoia Paulo Skaf (PMDB) na disputa ao governo paulista e do pessedista ao Senado. “Na última eleição presidencial, criei a Frente Anti-Serra pelo Bem do Brasil, agora vou criar a mesma frente para São Paulo”, afirmou. Ele chegou a dizer que abandonaria a política caso seu partido se aliasse ao PSDB no Estado.

Leia também:
Kassab vai disputar Senado na chapa de Paulo Skaf, do PMDB
Para disputar Senado, Kassab diz que esperou Serra confirmar candidatura
Com apoio tímido de Skaf, Dilma precisa de crescimento de Padilha em SP

Só francês explica
Próximo ao presidenciável tucano Aécio Neves, o deputado federal Marcus Pestana (PSDB-MG) apelou para uma frase do escritor e naturalista francês Georges-Loius Leclerc, do século XVIII, para explicar a demora de José Serra em decidir sobre sua candidatura ao Senado por São Paulo: “O estilo é o próprio homem.”

PT na hora de ver o lado positivo
Apesar da diminuição no tempo de TV, petistas disseram ter sido positiva a saída do PP de Paulo Maluf da chapa do candidato do PT ao governo de São Paulo Alexandre Padilha. “Agora, a estratégia é buscar o o eleitorado progressista, marcar essa posição e disputar com o Paulo Skaf (PMDB) a ida ao segundo turno”, diz o deputado Paulo Teixeira. “Dentro dessa perspectiva, foi melhor a saída do Maluf.”

Foto de governador de MG vira meme
O governador de Minas, Alberto Pinto Coelho (PP), e o deputado federal Guilherme Mussi (PP-SP) defendiam, na convenção nacional do partido, o apoio ao presidenciável Aécio Neves (PSDB). Saíram duplamente derrotados: o PP decidiu apoiar a reeleição de Dilma Rousseff e os dois viraram meme entre os adversários do tucano por conta da foto, postada pelo parlamentar, em que empunham a mensagem “Vai dar Aécio Neves”.

“O PSB concluiu que a força que apresentava uma proposta de governo mais próxima dos ideais do partido era o Lindbergh Farias (PT). É uma união histórica de forças de esquerda para fazer frente a quem sucateou o Rio” 
- Romário, deputado federal (PSB-SP) e candidato ao Senado

*Com Leonardo Fuhrmann

Leia tudo sobre: kassabserramosaico políticobrasil econômico

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas