Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto acampam em frente à Casa desde terça para agilizar decisão

Mesmo com a pressão do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto pela aprovação imediata do Plano Diretor, os vereadores da de São Paulo adiaram a decisão para segunda-feira (30), em sessão encerrada na noite desta sexta (27), na Câmara Municipal da cidade, na região central paulistana.

Leia mais:
Com barracas, MTST promete acampar na Câmara de SP até votação do Plano Diretor

De acordo com a assessoria do relator do projeto, vereador Nabil Bonduki (PT), na data será também votado, além do Plano Diretor, o futuro da Copa do Povo, terreno ocupado pelo MTST que não foi incluído na lei, e a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO),  que orienta a elaboração dos orçamentos fiscais e de seguridade social e investimento do Poder Público.

Desde terça-feira (24), cerca de 300 Sem-Teto acampam na calçada e na via em frente à Câmara Municipal, afetando o trânsito local e causando apreensão nos vereadores da Casa. Guilherme Boulos, coordenador do movimento, já afirmou reiteradas vezes que os militantes só deixarão o local após a aprovação do plano, de grande interesse para o grupo.

Além da votação imediata do texto, com todas as emendas propostas pelo movimento em favor da moradia popular, o MTST reivindica garantias para transformar os terrenos das ocupações Nova Palestina, Faixa de Gaza, Dona Deda e Capadócia, todas na zona sul de São Paulo, e da Copa do Povo, no extremo leste da cidade, em Zonas Especiais de Interesse Social (Zeis).

Leia também:
Presidente da Câmara de SP promete "esforço" para votar Plano Diretor até sexta
Relator diz que Plano Diretor de São Paulo não será 'colcha de retalhos'

O MTST já prometeu realizar uma ocupação em terrenos por semana até que o plano seja votado. A última ação do tipo promovida pelo movimento ocorreu na sexta-feira passada (20), em uma área de cerca de 200 mil metros quadrados próxima ao Portal do Morumbi, bairro nobre da zona oeste de São Paulo.

Mais:
Em meio a protesto em SP, Geraldo Alckmin se encontra com lideranças do MTST

Em abril deste ano, militantes do grupo entraram em confronto com a Polícia Militar e a Guarda Civil Metropolitana (GCM) após vereadores suspenderem a votação do plano. Na ocasião, manifestantes chegaram a atear fogo em pneus e lixeiras e a atirar objetos contra janelas da Câmara.

Veja fotos do primeiro dia do atual protesto do MTST em frente à Câmara:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.