Clube dos sem-traço tenta ganhar visibilidade correndo por fora nas eleições

Por Bruna Talarico - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Nove nomes pouco expressivos disputam menos de 10% das intenções de voto à Presidência da República em outubro; eleições de 2010 reuniram dez candidatos nanicos ao cargo

Nos gráficos que acompanham pesquisas de intenção de voto, seus nomes não costumam ser representados pelas linhas coloridas que atestam as preferências nacionais. Mas o clube dos sem-traço, composto historicamente por candidatos menos expressivos nas urnas, enfrenta desafios que vão além do anonimato: no afã por visibilidade e identificação com o eleitorado, alguns de seus membros acabam levantando bandeiras curiosas e ficando marcados por propostas pouco convencionais. Foi o caso do médico cardiologista Enéas Carneiro (1938-2007), fundador do Partido de Reedificação da Ordem Nacional, que defendia a construção da bomba atômica pelo Brasil e entrou no pleito pela Presidência por três vezes.

Renato Janine Ribeiro: "Brasil está diante da agenda da vida, da liberdade"

Zé Maria, do PSTU, faz 1º pedido de registro de candidatura à presidência no TSE

Leia mais: PT aposta em comparação de gestões para estancar queda de Dilma

Na corrida presidencial deste ano, em que a presidente em exercício, Dilma Rousseff (PT) tem como principais adversários Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) em um possível segundo turno, pelo que indicam até o momento as pesquisas eleitorais, o brasileiro vai encontrar no discurso dos outros oito presidenciáveis temas como o reequipamento das Forças Armadas; a estatização dos sistemas financeiros; e a adoção de um “aerotrem” como solução para os problemas de mobilidade urbana.

Ibope: Dilma tem 39% dos votos, Aécio tem 21% e Campos tem 10%

Para apresentar seus defensores de forma simplificada, o iG elencou os principais pilares destas candidaturas e pré-candidaturas. Muitas não devem se confirmar caso os partidos decidam, até o final do mês, entrar na chapa de outro candidato . Na galeria estão as possíveis opções disponíveis até agora no primeiro domingo de outubro (5) e a síntese de seus discursos.

Confira abaixo quem são os candidatos nanicos:

Pastor Everaldo: Candidato à presidência pelo PSC, Everaldo teve 4% das intenções de voto segundo levantamento feito entre 3 e 5 de junho pelo Datafolha: ele defende o reequipamento das Forças Armadas e o Estado Mínimo, enquanto é contra o casamento homossexual

Luciana Genro: Pré-candidata à presidência pelo PSOL, Luciana Genro não foi levada em conta na pesquisa de intenções de voto segundo levantamento feito entre 3 e 5 de junho pelo Datafolha: ele defende a legalização da maconha, enquanto é contra a cobrança de tarifas de transportes

Magno Malta: Pré-candidato à presidência pelo PR, Magno Malta teve 2% das intenções de voto segundo levantamento feito entre 3 e 5 de junho pelo Datafolha: ele defende a redução da maioridade penal, enquanto é contra a liberação das drogas

Eduardo Jorge: Candidato à presidência pelo PV, Eduardo Jorge teve 1% das intenções de voto segundo levantamento feito entre 3 e 5 de junho pelo Datafolha: ele defende a legalização da maconha, enquanto é contra a remuneração de vereadores

Zé Maria: Candidato à presidência pelo PSTU, José Maria teve 1% das intenções de voto segundo levantamento feito entre 3 e 5 de junho pelo Datafolha: ele defende a estatização do sistema financeiro, enquanto é contra o pagamento da dívida externa

Denise Abreu: Pré-candidata à presidência pelo PEN, Denise Abreu teve 1% das intenções de voto segundo levantamento feito entre 3 e 5 de junho pelo Datafolha: ela defende a eliminação da ideologia de esquerda do currículo acadêmico no sistema de ensino, enquanto é contra a repressão a manifestações populares

Eymael: Pré-candidato à presidência pelo PSDC, Eymael não obteve representação expressiva na pesquisa de intenções de voto feita entre 3 e 5 de junho pelo Datafolha: ele defende a criação do Ministério da Segurança Pública, enquanto é contra o atual formato do ensino médio brasileiro, propondo um sistema baseado nas habilidades dos alunos

Levy Fidelix: Candidato à presidência pelo PRTB, Fidelix não obteve representação expressiva na pesquisa de intenções de voto feita entre 3 e 5 de junho pelo Datafolha: ele defende a criação do aerotrem e a “revolução” de 1964, enquanto é contra a concentração da população no litoral, e aposta em programa nacional para a ocupação do Centro-Oeste

Mauro Iasi: Pré-candidato à presidência pelo PCB, Mauro Iasi não obteve representação expressiva na pesquisa de intenções de voto feita entre 3 e 5 de junho pelo Datafolha: ele defende o fim da Polícia Militar, enquanto é contra o sistema capitalista

Everaldo, candidato à presidência pelo PSC. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaLuciana Genro, pré-candidata à presidência pelo PSOL. Foto: Divulgação/FacebookMagno Malta , pré-candidato à presidência pelo PR. Foto: Moreira MarizEduardo Jorge, candidato à presidência pelo PV. Foto: Divulgação PVDenise Abreu, pré-candidata à presidência pelo PEN. Foto: Divulgação/FacebookZé Maria, candidato à presidência pelo PSTU. Foto: Romerito Pontes/PSTUEymael, pré-candidato à presidência pelo PSDC. Foto: Agência BrasilLevy, Fidelix, candidato à presidência pelo PRTB. Foto: Divulgação/PRTBMauro Iasi, pré-candidato à presidência pelo PCB. Foto: Divulgação/PCB


Leia tudo sobre: eleições 2014candidatosnanicospresidência

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas