Em discurso, o candidato do PSDB conclamou os militantes a ajudarem na implementação de uma nova agenda para o País

Agência Brasil

Aécio com lideranças do PSDB e com o presidente do Solidariedade, Paulinho da Força (à dir.)
Fábio H. Mendes/Futura Press
Aécio com lideranças do PSDB e com o presidente do Solidariedade, Paulinho da Força (à dir.)

O partido Solidariedade oficializou neste sábado (21) apoio ao candidato do PSDB, Aécio Neves, à Presidência da República. A convenção nacional e estadual do partido declarou ainda apoio à candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à reeleição para o governo paulista. O candidato a vice-presidente na chapa do PSDB deve ser definido apenas no fim do mês.

Leia mais:
Acompanhe outras notícias sobre o candidato Aécio Neves
Aliança PSB-PSDB em SP tenta barrar influência de Lula e aproxima Campos e Aécio
Dilma tem 39% dos votos, Aécio tem 21% e Campos tem 10%, diz CNI-Ibope

“É um apoio que tem um significado que vai muito além do tempo de televisão e do número de parlamentares do partido, que já é muito expressivo. É o apoio que aproxima o PSDB e a nossa candidatura dos trabalhadores brasileiros”, ressaltou Aécio ao chegar para o evento no bairro da Liberdade, região central da capital paulista.

Em discurso, o candidato conclamou os militantes a ajudarem na implementação de uma nova agenda para o País. “Para que possamos juntos, nessa belíssima trajetória que hoje se inicia, tirarmos o Brasil da estagnação para permitirmos o crescimento sustentável deste país. Acabarmos com o processo de desindustrialização, que desemprega brasileiros de todas as partes, em especial no estado de São Paulo”, disse.

Veja também:
Lula desafia adversários sobre corrupção e convoca militância contra preconceito
Em convenção do PT, Falcão ataca tucanos e prega que ‘esperança vencerá o ódio’
Dilma larga na eleição com 'Volta, Lula' discreto e desafio de reduzir desgaste

Alckmin disse que os protestos mostram que a população quer mudanças na condução do país. “O que nós vemos hoje nas ruas é a indignação, é quem não se conforma com o que está acontecendo hoje no Brasil. Como disse aqui o [ex-governador José] Serra: baixo crescimento com inflação alta, desvios de natureza ética. O país que não cresce, que retrocede na competitividade e se desindustrializa”.

Partido Solidariedade

O presidente do Solidariedade, deputado federal Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical, ressaltou que o partido, criado em setembro de 2013, surgiu como uma legenda de oposição ao governo federal. Segundo Paulinho, a fundação do partido está ligada às dificuldades para obtenção de avanços na pauta trabalhista. “Não conseguimos, por exemplo, uma política salarial para os aposentados. Nossos aposentados, que têm perdas e perdas todos os anos, não têm uma política para garantir aumento salarial”, destacou.

Acompanhe mais notícias sobre Política
Siga o iG Último Segundo pelo Twitter

Paulinho citou ainda dificuldades na área industrial. “De cada quatro produtos que nós consumimos hoje, um é importado, quebrando a indústria nacional, que demorou 60 anos para ser construída. O Brasil até cria empregos, mas nas áreas do serviço e do comércio, onde os salários são muito menores”, avaliou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.