PT paulista homologa candidato brigão ligado à Gaviões da Fiel

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Vereador em Francisco Morato, Raimundo César Faustino (PT), o Capá, disputará uma vaga na Assembleia

Brasil Econômico

Vereador em Francisco Morato, na Grande São Paulo, Raimundo César Faustino (PT), o Capá, membro da Gaviões da Fiel, disputará uma vaga na Assembleia. Ele foi indiciado pela polícia por ter participado da briga entre as torcidas do Corinthians e do Vasco em agosto do ano passado, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. Em uma foto publicada no jornal Lance!, Capá aparece dando um chute em um policial militar. Ele era guarda civil de Campinas, no interior paulista, e foi afastado da corporação por indisciplina. Segundo a Prefeitura, para faltar ao trabalho no dia em que foi flagrado brigando no estádio, Capá apresentou um atestado médico.

Asas para os gaviões

Com a candidatura a deputado federal do ex-presidente do Corinthians Andrés Sanchez, a Gaviões da Fiel ganhou espaço na convenção do PT. A escola de samba da torcida se apresentou no palco, enquanto um puxador pedia votos para Andrés.

O jogo de pôquer de Kassab

A estratégia do presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, divide opiniões. Para alguns políticos experientes, o ex-prefeito paulistano está próximo de perder a mão nas negociações por adiar em demasia a tomada de decisões, principalmente em São Paulo. Em seu Estado, é cortejado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) - candidato à reeleição -, por Paulo Skaf (PMDB), além de acenar com a opção de uma candidatura própria. Depois que Kassab descartou a possibilidade de apoiar o ex-ministro Alexandre Padilha, o PT paulista se contenta com qualquer alternativa que o mantenha afastado de Alckmin. Para outros, no entanto, o presidente do PSD conseguiu se cacifar para ocupar a posição de fiel da balança e nenhum dos lados poderá criticá-lo por isso.

Para tomar a decisão, Kassab tem pesado o espaço que o PSD ganha em cada alternativa e as possibilidades de vitória de cada lado. “Como todos estão brigando por ele, ninguém vai poder falar mal da decisão que tomará em São Paulo”, analisa um deputado do PT paulista. O principal trunfo de Alckmin é a possibilidade de Kassab ser seu vice e, em caso de vitória do governador, ganhar um tempo de mandato. Assim repetiria a estratégia que deu certo quando foi vice-prefeito de José Serra. Na disputa nacional, a situação é um pouco diferente, pois o PSD já se comprometeu a apoiar a eleição da presidente Dilma Rousseff e o PT não acredita na possibilidade de recuo. O PSDB, no entanto, continua a tentar atraí-lo para sua chapa. Acena com a possibilidade de Henrique Meirelles, presidente do Banco Central no governo Lula, como vice de Aécio Neves.

PSDB de Minas diz respeitar decisão do PSB

O deputado federal Marcus Pestana, presidente do PSDB de Minas Gerais, disse que seu partido respeitará a decisão do PSB mineiro, um tradicional aliado, de lançar candidato ao governo do Estado para concorrer com o tucano Pimenta da Veiga. “Mas estamos de portas abertas e com tapete vermelho para recebê-los de volta quando quiserem”, afirmou.

Crise leva Randolfe de volta ao Amapá

O senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP) se isolou durante 15 dias antes de anunciar a desistência de sua pré-candidatura presidencial. O parlamentar teria ficado frustrado por não pontuar nas últimas pesquisas de intenção de votos e também pela dificuldade em unir o partido em torno do seu nome. Como é um dos políticos mais populares do Amapá, seus ataques ao governador Camilo Capiberibe (PSB) foram vistos como pretexto para entrar na disputa no Estado.

“Este governo é uma bananeira que já deu cacho. E estamos aí para cortá-la” - senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), ao criticar Dilma na convenção do PSDB, admitindo que a gestão petista deu algum resultado

*Com Leonardo Fuhrmann

Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas