PMDB rebelde reivindica direito de “trair” em votação sobre aliança com PT

Por Luciana Lima - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Clima na convenção do partido é acirrado. A cúpula do PMDB aposta que tem maioria a favor da aliança com o PT enquanto rebeldes tentam misturar votos para propiciar traições

Embora a ala governista do PMDB entenda como certo o apoio à reeleição de Dilma Rousseff com Michel Temer de vice, o clima na convenção nacional do partido é acirrado nesta terça-feira (10). Líderes rebeldes do PMDB chegaram a protagonizar um bate-boca com o presidente nacional do partido, senador Valdir Raupp (RO), antes do início da votação que decidirá se o PMDB vai com Dilma ou não participa de nenhuma coligação nas eleições deste ano.

Poder online: PMDB da Bahia joga culpa da traição no Ceará

Cabral: “Ação local do PT em nada macula a nossa aliança com Dilma”

A divergência começou com a separação das urnas por Estados, ideia lançada pelo deputado Elizeu Padilha (RS), aliado de primeira hora de Temer e presidente da Fundação Ulysses Guimarães, órgão vinculado ao partido.

Com a intenção de garantir o direito de sigilo para os que querem “trair”, pedido feito pelo próprio vice-presidente Michel Temer, o deputado Leonardo Picciani (RJ) provocou: “Se vocês tem tanta certeza da vitória, porque ficar marcando voto?”, questionou o deputado, apoiador declarado da candidatura do tucano Aécio Neves, se dirigindo a Raupp.

Picciani angariou apoio imediato do deputado Raul Henry (PE), candidato a vice-governador de Pernambuco na chapa liderada por Paulo Câmara e apoiada por outro adversário de Dilma, o ex-governador pernambucano Eduardo Campos.

Depois de muita discussão, Raupp cedeu para que a apuração dos votos depositados em cada urna seja feita de forma conjunta, misturando alguns estados.

A previsão é de que a votação termine às 15 horas. A presidente Dilma Rousseff já está a postos para ir ao Senado, às 15h30, para receber o apoio formal do partido.

Antes da convenção, o próprio Michel Temer ligou a muitos parlamentares, inclusive os rebelados da Câmara, para pedir votos em favor da aliança nacional com o PT. Temer também pediu apoio discursando nas reuniões de vários núcleos do partido que se reuniram na segunda-feira na Câmara.

Leia tudo sobre: pmdbeleições 2014alianças

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas