Marina e Campos devem conversar sobre Barbosa neste sábado

Por Luciana Lima e Marcel Frota - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Aliado da ex-ministra diz que Rede não tem restrições a filiação de presidente do STF, mas admite que não seria adequado convidá-lo com vistas a disputa eleitoral

O ex-deputado Walter Feldman (SP) diz que Marina Silva não oferece resistências a uma aproximação do PSB com o ministro Joaquim Barbosa, que anunciou sua aposentadoria do Supremo Tribunal Federal nessa quinta-feira. Feldman é um dos mais próximos interlocutores de Marina. Segundo o iG apurou, integrantes da Rede revelaram que a líder da Rede manifestou contrariedade a um possível convite do PSB para que Barbosa se filie ao partido, ainda que não possa concorrer nas eleições deste ano devido ao prazo de desincompatibilização.

Leia também: Saída de Barbosa causa alívio no STF

Feldman diz que houve resistência de integrantes da Rede quando cogitou-se a possibilidade de que Barbosa pudesse ser convidado a tempo de ser candidato neste ano. “Em relação à candidatura naquela época nos pareceu equivocado fazer um convite a um magistrado em pleno exercício de suas funções. Poderia parecer uma vinculação ruim entre poderes”, disse Feldman. “Fora do judiciário, agora, ele é uma figura importante, que gostaríamos de ter”, acrescentou o aliado de Marina.

Poder Online: Encontro de Dilma com Joaquim Barbosa durou 10 minutos

O ex-deputado afirma que na manhã deste sábado, durante Encontro Regional Programático da região Centro-Oeste, que reunirá militantes de Rede e PSB para discutir as diretrizes do Programa de Governo da aliança, Marina e Eduardo Campos deverão se encontrar pessoalmente pela primeira vez depois que Barbosa anunciou a aposentadoria e que o assunto deverá ser abordado. Feldman defendeu a estratégia de aproximação paulatina com Barbosa.

“Defendo a ideia de aproximação. Não necessariamente para fazer um convite, porque não é assim que se faz esse tipo de coisa, mas para dialogar, para conversar com ele sobre o que fará agora fora do Supremo”, declarou Feldman, que acrescentou ainda que é natural haver um interesse dos partidos por Barbosa, sobretudo os que partilharam com o ministro sua postura quando do julgamento da Ação Penal 470, conhecido como mensalão do PT.

“A Rede não tem nenhuma restrição a ele. Temos um enorme respeito por ele”, disse o ex-parlamentar sobre opiniões de bastidores dadas por aliados de Marina. A reservas que alguns aliados de Marina manifestaram até em nome da pré-candidata a vice na chapa do PSB vão de encontro ao que planeja Campos e integrantes do PSB. O presidenciável socialista já manifestou sua vontade. “No caso dele pensar em se filiar a algum partido, com certeza teremos amigos em comum que haverão de aproximá-lo do partido”, disse Campos ao comentar o anúncio de aposentadoria feito por Barbosa.

Leia tudo sobre: MarinaCamposEleições 2014Joaquim Barbosa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas