Enquanto o PSB sonha em ter em seus quadros o ministro Joaquim Barbosa, Marina tenta barrar o convite alegando que isso fortaleceria tese de julgamento político do mensalão

A candidata a vice na chapa do socialista Eduardo Campos, Marina Silva, não concorda que o PSB faça um novo convite de filiação ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, que anunciou que irá se aposentar em um mês.

Fora do STF: Barbosa pode ir para a vida acadêmica ou se candidatar em 2018

Barbosa após saída: ‘Mensalão saiu da minha vida, espero que saia da de vocês’

Segundo interlocutores da Rede, apesar de Eduardo Campos já ter explicitado o desejo, Marina defende a tese de que o convite seria uma “confusão de funções” e alimentaria o argumento de petistas de que Barbosa atuou politicamente no julgamento da Ação Penal 470, conhecida como o processo do mensalão.

Campos não esconde o desejo de ter Barbosa nos quadros do PSB. Marina discorda
Alan Sampaio / iG Brasília
Campos não esconde o desejo de ter Barbosa nos quadros do PSB. Marina discorda

Esta é mais uma das divergências de Marina com o PSB que já conta com problemas de articulação política para formação do palanque em São Paulo e no Rio de Janeiro. Em São Paulo, Marina tem feito oposição à aliança defendida por socialistas paulistas com o governador Geraldo Alckmin (PSDB).

No Rio, Marina se colocou contrária à ligação de Eduardo Campos com a candidatura ao governo do deputado federal Anthony Garotinho, que se mostrou disposto a romper com a presidente Dilma Rousseff para montar o palanque de Campos. Neste caso, Marina defende a união com Miro Teixeira do PROS que também deseja se candidatar ao governo do Rio de Janeiro.

Para o PSB, Barbosa, mesmo sem ter condições legais de se candidatar, poderia fortalecer o palanque de Campos no Rio de Janeiro, onde o ministro conta com grande aprovação. Recentemente, por meio do deputado Romário, o PSB chegou a fazer um convite ao ministro.

Integrantes do partido não descartam a possibilidade de sondá-lo novamente e afirmam que o convite já feito ainda está valendo, basta uma sinalização do próprio Barbosa de que estaria disposto a entrar na campanha.

Campos não esconde o desejo de ter Barbosa nos quadros do PSB. “No caso dele pensar em se filiar a algum partido, com certeza teremos amigos em comum que haverão de aproximá-lo do partido”, disse Eduardo Campos ao comentar o anúncio de aposentadoria feito por Barbosa.

“Ele ainda está como presidente do Supremo Tribunal Federal. No dia seguinte em que ele deixar o Supremo é que começa a possibilidade de se conversar”, disse o pré-candidato.

Já integrantes da Rede argumentam que este assunto já foi discutido em diversas reuniões e que um novo convite enfrentaria oposição dos quadros ligados à Marina.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.