Para advogado de Genoino, Judiciário voltará ao normal com saída de Barbosa

Por Luciana Lima - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Para Luiz Fernando Pacheco, Barbosa foi autoritário na condução do mensalão e só o 'distanciamento histórico' poderá devolver a ele sua dimensão no mundo jurídico

Advogado do ex-deputado José Genoino, condenado por envolvimento no esquema do mensalão, Luiz Fernando Pacheco acredita que com a aposentadoria do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, o Judiciário brasileiro votará à normalidade. “Joaquim Barbosa demonstrou ser um juiz extremamente autoritário, parcial. Ele tem, nos últimos anos, contrariado toda jurisprudência que se consolidou no país ao restringir o direito dos réus da ação penal 470 de trabalharem”, disse.

Leia também: ‘Mensalão saiu da minha vida, espero que saia da de vocês’, diz Barbosa

Barbosa ao anunciar saída do STF: 'Sinto-me honrado e agradeço a todos'

Presidente do Senado: Barbosa vai deixar presidência do STF e se aposentar em junho

Marco Aurélio Mello: 'Fomos pegos de surpresa', diz ministro

“Penso que, com sua saída, o Judiciário volta à normalidade, que deve ser de serenidade. Ganha os réus da ação penal 470 como todo país que não precisará mais assistir a um juiz com um comportamento histriônico como o de Joaquim Barbosa", afirmou o advogado.

Para Pacheco, somente o “distanciamento histórico” poderá ser capaz de dar a Joaquim Barbosa a dimensão que ele teve como juiz. Por enquanto, na opinião de Pacheco, ele é reconhecidamente o juiz de uma só ação, o julgamento do mensalão.

“Ele teve participações grandes e importantes quando o Supremo julgou a questão das cotas raciais, na questão da demarcação da terra indígena de Raposa Serra do Sol, na questão da interrupção da gravidez em caso de crianças com anencefalia. Seus posicionamentos em todas essas decisões foram progressistas e muito importantes. No entanto, durante o tempo que presidiu o Supremo, e principalmente na condução do julgamento da ação penal 470, foi autoritário. Só o distanciamento histórico dará a ele a verdadeira dimensão”, disse o advogado.

Já o advogado do ex-deputado José Dirceu, José Luiz de Oliveira Lima, preferiu não comentar o anúncio de aposentadoria de Joaquim Barbosa.

Leia tudo sobre: advogadogenoínojudiciáriosaídajoaquim barbosa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas