PF aceita acordo e afasta risco de greve durante a Copa

Por Vasconcelo Quadros - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Entidades vão formar grupo de trabalho para discutir plano de reestruturação das carreiras. 'O governo pediu um crédito de confiança e estamos dando',diz diretor do Sindipolf-SP

Mais expressivo do país, com cerca de 1.500 filiados, o Sindicato dos Policiais Federais de São Paulo (Sindpolf) aceitou, em assembleia realizada na tarde desta quarta-feira, os 15,8% de aumento propostos pelo Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão e afastou a possibilidade de greve da categoria durante a Copa do Mundo.

A decisão segue a recomendação da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) e foi tomada depois que o governo aceitou a formação de um grupo de trabalho que irá discutir, dentro dos próximos 75 dias, um plano de reestruturação das carreiras de agente federal, escrivão e papiloscopista - que representam mais de 80% dos quadros da Polícia Federal.

Ontem: Governo faz proposta para evitar que Polícia Federal pare durante a Copa

Última semana: Polícia Civil e PF de 14 Estados cruzam os braços

“O governo pediu um crédito de confiança e estamos dando. Temos 75 dias para confirmar se o governo tem mesmo a intenção de fazer a reestruturação da carreira”, diz o diretor de comunicação do Sindpolf-SP, Marco Antônio da Costa. O grupo de trabalho será formado por sindicalistas, funcionários dos ministérios da Justiça, Planejamento e do Departamento de Polícia Federal.

Costa diz que a reestruturação é mais importante que o aumento porque muda o patamar de remuneração ao tornar a carreira do policial federal idêntica às demais categorias que recebem um salário inicial compatível com o nível superior. A partir de 2016, os federais, que hoje iniciam com R$ 7.500, receberiam como funcionários de agências reguladoras ou da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) cujos salários começam num patamar entre R$ 13 mil e R$ 14 mil.

Veja abaixo imagens de policiais federais em protesto:

Agentes da Polícia Federal realizam o 'Dia do Enfermo', durante paralisação de 24 horas em frente ao prédio PF, Cuiabá. Foto: Euclides Oltramari Jr / Futura PressPoliciais federais protestam em todo o País nesta terça-feira (11). Foto: Agência BrasilPoliciais federais param e dizem que corporação está doente. Foto: Agência BrasilPoliciais federais protestam em Brasília, nesta terça-feira (11). Foto: Agência BrasilPoliciais federais protestam em Brasília, nesta terça-feira (11). Foto: Agência BrasilPoliciais federais protestam em Brasília, nesta terça-feira (11). Foto: Agência BrasilPoliciais federais protestam em Brasília, nesta terça-feira (11). Foto: Agência Brasil'Algemaço' promovido por policiais federais na última sexta-feira (7), em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Foto: Futura PressAgentes federais realizam 'algemaço' em São Paulo, na sexta-feira (07). Foto: Agência Brasil


Segundo ele, outro ganho significativo da categoria com a reestruturação será o reconhecimento das atribuições que já são desenvolvidas, mas ainda não são reconhecidas em lei, como as atividades de inteligência, proteção a dignitários, reconhecimento pericial, controle de entrada e saída de estrangeiros e fiscalização.

A decisão deverá ser seguida por todos os sindicatos que ainda não realizaram assembleias e depois será referendada pela Fenapef. Para o governo, às voltas com a organização do aparato de segurança para a Copa do Mundo – no qual a Polícia Federal tem papel decisivo –, o fim da ameaça de greve é um grande alívio.

Leia tudo sobre: pfcopa do mundo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas