MPF denuncia cinco militares pela morte de Rubens Paiva

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Eles foram denunciados por homicídio e ocultação de cadáver. Ex-deputado foi morto em 1971 nas dependências do DOI

Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro denunciou hoje (19) cinco militares reformados pelos crimes de homicídio e ocultação do cadáver do ex-deputado Rubens Paiva. O crime foi cometido entre os dias 21 e 22 de janeiro de 1971, nas dependências do Destacamento de Operações de Informações (DOI) do I Exército, no Batalhão de Polícia do Exército, na Tijuca, zona norte do Rio.

50 anos do golpe: a ação militar que mergulhou o País em 21 anos de ditadura

Coronel Malhães é o 2º militar do caso Rubens Paiva assassinado em dois anos

Reprodução
Rubens Paiva foi morto em 1971 nas dependências do DOI, no Rio

Os cinco militares também foram denunciados por associação criminosa armada, e três deles, por fraude processual. O MPF denunciou o ex-comandante do DOI general José Antônio Nogueira Belham e o ex-integrante do Centro de Informações do Exército (CIE) coronel Rubens Paim Sampaio por homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e associação criminosa armada.

Foram denunciados por ocultação de cadáver, fraude processual e associação criminosa armada o coronel reformado Raymundo Ronaldo Campos e os militares Jurandyr Ochsendorf e Souza e Jacy Ochsendorf e Souza.

O procurador da República Sérgio Suiama explicou que as ações que resultaram na prisão e morte de Rubens Paiva se enquadram como crimes de Estado, praticados sistematicamente e de forma generalizada contra a população. Por isso, segundo ele, os crimes podem ser tipificados como de lesa-pátria. Ele argumenta que não há prescrição porque são crimes cometidos contra a humanidade. Da mesma forma, também os praticantes são beneficiados pela Lei da Anistia.

Rubens Paiva: ‘Um capítulo se encerrou’, diz filha sobre morte 

A filha de Rubens Paiva, Vera Paiva, participou da coletiva no MPF e disse estar agradecida pelo desfecho da denúncia. "Agradeço o privilégio de estabelecer um marco como o Brasil tem tratado a violência de Estado", declarou ela, que citou o caso do pedreiro Amarildo de Souza como exemplo da permanência da violência contra o cidadão.

As investigações do MPF duraram cerca de três anos e envolveram a análise de 13 volumes de documentos. Foram tomados depoimentos de 27 pessoas.

Leia tudo sobre: rubens paivaditadura militar

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas