Aécio e Campos atacam política fiscal de Dilma em encontro com prefeitos

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Os dois pré-candidatos criticaram o pequeno crescimento econômico e a baixa confiança dos mercados no governo Dilma, mas apoiaram o Bolsa Família e a valorização do mínimo

Reuters

Os pré-canditados à eleição presidencial, o senador Aécio Neves (PSDB) e o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) aproveitaram a Marcha dos Prefeitos nesta quarta-feira para criticar a gestão fiscal do governo Dilma Rousseff.

O candidato tucano afirmou que deve ser criada uma lei de responsabilidade fiscal para a União, que segundo ele gasta muito e gasta mal. Aécio também defendeu que os municípios sejam compensados por desonerações tributárias, para que encaixem suas despesas dentro das receitas.

Agência Brasil
Aécio Neves participa de debates na Marcha dos Prefeitos em Brasília

“Temos que criar uma lei de responsabilidade fiscal para a União. Os Estados têm, os municípios têm. A União não tem… Aumenta gastos como quer”, criticou Aécio.

O senador lembrou que sempre defendeu a compensação dos municípios com a criação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 31, que busca obrigar o ressarcimento aos municípios que sofrem prejuízos gerados por isenções fiscais concedidas pelo governo federal. Segundo ele, isso impediria que o governo federal “faça bondade com chapéu alheio”.

Como exemplo dos altos gastos do governo federal, o senador criticou os subsídios dados ao setor elétrico e os classificou como perversos, afirmando que os recursos poderiam ter sido canalizados para programas sociais.

“Só em subsídios do setor elétrico, do ano passado para este ano chegam a 20 bilhões de reais. Portanto, 20 bilhões de reais para subsidiar um equívoco do governo federal, com o intervencionismo perverso que fizeram no setor.”

Aécio repetiu que os 12 anos do PT no comando do país geraram uma herança maldita. Ele classificou de “baixíssimo” o padrão ético do atual governo.

Agência Brasil
Além de Aécio e Campos (foto), outros dois presidenciáveis responderam a perguntas de prefeitos

Já o ex-governador de Pernambuco afirmou que as desonerações feitas na gestão Dilma foram “além da responsabilidade fiscal” e descartou reduzir tributos às custas dos municípios, reafirmando que pretende implementar um conselho de responsabilidade fiscal que contará com a presença de prefeitos.

Apesar das críticas ao governo atual, Campos reconheceu os avanços sociais trazidos pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas disse que as conquistas com o Bolsa Família e com o aumento do salário mínimo são conquistas do povo, e não de um partido.

“Chegou o fim da polarização”, disse Campos, numa alusão à disputa concentrada entre PT e PSDB nas eleições presidenciais desde 1994.

Os dois pré-candidatos criticaram o pequeno crescimento econômico do país nos últimos anos e a baixa confiança dos mercados quanto à direção da política econômica do governo Dilma.

Eles apoiaram a manutenção do Bolsa Família e o aumento do salário mínimo. Campos alertou que dizer que o Bolsa Família acabaria se Dilma não for reeleita é “terrorismo”.

Leia tudo sobre: aécio neveseduardo camposeleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas