Dilma critica governo de Minas Gerais por atraso em obra

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

'Eu tenho escutado que tem gente se queixando que o anel rodoviário está atrasado. Ora, se estiver atrasado, eu sugiro que se cobre o governo de Minas', diz Dilma em Ipatinga

Reuters

A presidente Dilma Rousseff alfinetou nesta segunda-feira o governo de Minas Gerais, até o mês passado governado pelo PSDB, pelo atraso em uma obra sob responsabilidade do Estado e com orçamento do governo federal. Dilma também defendeu a política de subsídios de seu governo, em resposta a críticas feitas pelo presidenciável do PSDB, Aécio Neves.

Leia mais: Dilma entregou só 7% das 6 mil novas creches prometidas em campanha

Ano eleitoral: Políticos se descolam de escândalos e adiam medidas impopulares

Em Ipatinga, Dilma assinou a ordem de serviço da duplicação da BR-381 entre Belo Horizonte e Governador Valadares, um investimento de 2,5 bilhões de reais, e cutucou o governo do Estado ao mencionar uma outra obra financiada pelo governo federal, o anel rodoviário.

"Nós fizemos uma proposta ao governo de Minas: vocês façam uma parte (do anel rodoviário) e nós pagamos a parte que vocês fazem, e nós fazemos a outra parte e também pagamos. Enfim, nós pagamos o anel rodoviário inteiro", disse.

Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma Rousseff em Minas Gerais


"Eu tenho escutado que tem gente se queixando que o anel rodoviário está atrasado. Ora, se estiver atrasado, eu sugiro que se cobre o governo de Minas também pelo atraso, e não só o governo federal. Porque na hora de a gente fazer o acordo e passar os recursos, todo mundo quer, na hora de cobrar só nós somos cobrados? Que história é essa?", indagou Dilma.

Até o mês passado Minas era governada pelo tucano Antonio Anastasia, afilhado político de Aécio e que sucedeu o presidenciável tucano no posto. Anastasia deixou o governo e tem atuado como figura central na campanha de Aécio à Presidência.

Sem paulista na disputa: Presidenciáveis cobiçam o maior eleitorado do Brasil

Dilma também aproveitou o discurso para fazer uma defesa enfática da política de subsídios de seu governo, numa resposta a comentários recentes de Aécio que considerou excessivos os empréstimos a juros subsidiados feitos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

"Quando vocês veem alguém criticando subsídio, vocês saibam que ou estão querendo acabar com programa social ou acabar com o financiamento das indústrias do nosso país", disse a presidente, para quem os subsídios são fundamentais para manter programas como o Minha Casa, Minha Vida.

Leia tudo sobre: dilma rousseffminas geraiseleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas