Barbosa suspende trabalho externo de dois condenados no mensalão

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com a decisão, condenados ao semiaberto com pena abaixo de oito anos devem trabalhar internamente até um sexto da pena. Entendimento pode valer para outros presos

Agência Brasil

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, revogou hoje (8) a decisão da Justiça de Minas Gerais que autorizou a concessão do benefício de trabalho externo ao ex-deputado federal Romeu Queiroz, condenado a seis anos e seis meses de prisão no processo do mensalão, e ao advogado Rogério Tolentino, condenado a seis anos e dois meses de prisão.

De acordo com a decisão de Barbosa, condenados em regime semiaberto com pena abaixo de oito anos devem trabalhar internamente até completarem um sexto da pena, quando poderão sair durante o dia para trabalhar. O mesmo entendimento poderá ser usado para avaliar as decisões que autorizaram outros condenados no processo a trabalhar fora do presídio, como o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu.

Leia mais: Justiça aplica critérios diferentes para cobrar multas do mensalão

Decisão de Barbosa: Genoino recorre ao Supremo para voltar à prisão domiciliar

“As decisões do juízo delegatário ora em exame afrontam a própria sistemática de execução da pena de forma progressiva, ao transformar o regime semiaberto, que é imposto para as infrações médias e graves, em regime aberto. O regime semiaberto, repita-se, deve ser cumprido em colônia agrícola, industrial ou similar onde o trabalho interno coletivo no estabelecimento é da essência do próprio regime”, esclareceu Barbosa.

Queiroz ganhou autorização para trabalhar durante o dia na RQ Participações S.A., onde exerce a função de diretor-presidente. Na decisão, o presidente do STF afirmou além do benefício de trabalho externo, o ex-deputado permanece fora do presídio das 6h às 0h, porque também ganhou o direito de estudar Teologia fora do presídio. Segundo Barbosa, além de não preencher os requisitos legais, Queiroz trabalha na própria empresa.

“A situação engendrada é tão absurda que o responsável pelo acompanhamento dos trabalhos do sentenciado é ninguém menos do que um membro da própria família (aparentemente, o filho), o que significa que a fiscalização da jornada de trabalho, da frequência, da produtividade, não tem qualquer possibilidade de ser executada com eficiência e impessoalidade, como se exige de qualquer ato da administração, ainda que exercida por particulares, como no caso”, destacou Barbosa.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas