Renan diz que líderes têm 5 dias para indicar nomes para CPI Mista da Petrobras

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente do Senado convocou para hoje sessão do Congresso para definir criação de CPMI que investigará irregularidades na gestão da estatal

O presidente do Senado, Renan Calheiros, convocou para noite desta quarta-feira (7) uma sessão do Congresso Nacional para anunciar uma definição sobre a comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) da Petrobras. Renan deverá pedir formalmente aos líderes partidários a indicação de integrantes da comissão - serão 32 titulares (16 deputados e 16 senadores), e igual número de suplentes. Eles terão um prazo de cinco dias úteis para que os líderes partidários façam as indicações dos nomes que irão investigar irregularidades na estatal.

Agência Senado
O presidente do Senado, Renan Calheiros

Leia também: “Renan nos afirmou: a CPI será específica”, diz líder do PSDB na Câmara

“Disseram que eram cinco sessões do Congresso exatamente. Na verdade, não são cinco sessões, são cinco dias, tirando o sábado e o domingo, um prazo curtíssimo”, garantiu.

Segundo a Mesa Diretora do Congresso, regimentalmente não há prazo definido para indicação dos membros de uma CPI, mas com a definição do prazo pelo presidente do Congresso parlamentares governistas e de oposição têm até a próxima quarta-feira (14) à noite para fazer as indicações. Depois desse prazo, caberá ao próprio senador designar os nomes que vão preencher as vagas restantes. A partir daí, caberá ao mais idoso dentre os indicados convocar a reunião de instalação.

No STF: Renan recorre ao plenário do STF contra decisão sobre CPI exclusiva da Petrobras

Ontem, o líder do PMDB, senador Eunício Oliveira (CE), indicou o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) para comandar a CPI da Petrobras.

Na avaliação do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, a CPI mista é o melhor caminho para investigar as denúncias. Renan, no entanto, ainda não definiu se as duas CPIs exclusivas da Petrobras, a do Senado e a mista, irão funcionar ao mesmo tempo. “Acho que [a CPMI] é o caminho correto com a Câmara e com o Senado. A Câmara quer participar desde o primeiro momento. É a participação correta, democrática, transparente do Senado e da Câmara", defende Alves.

Questionado sobre manobras da base do governo que estariam impedindo a instalação imediata da CPMI da Petrobras, Renan garantiu que o regimento será cumprido. “Ninguém está pesando em ganhar mais tempo ou perder tempo. Vocês têm visto: no dia a dia a oposição reclama, o governo reclama também. O presidente tem que manter o equilíbrio e dentro do possível levar os trabalhos adiante”, disse.

* Com Agência Brasil e Agência Câmara

Leia tudo sobre: Renan CalheirosSenadoCPI da PetrobrasCPI mista

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas