Direto do Congresso: relator espera conclusão do caso Vargas antes do recesso

Por Marcel Frota - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Júlio Delgado afirmou que o ex-partido de André Vargas deveria se preocupar com o que fez seu ex-filiado e afirmou que trabalhará para votar relatório final até o dia 18 de julho

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), relator do processo que investiga suposta quebra de decoro de André Vargas (ex-PT-PR), diz estar confiante de que a conclusão da investigação possa ser feita antes do recesso parlamentar, marcado para o dia 18 de julho. Ele declarou que deve entregar seu parecer final antes do início da Copa do Mundo.

Mais: Júlio Delgado será o relator do caso Vargas no Conselho de Ética

Assista ao vídeo:

Delgado falou a respeito da crítica que o PT faz nos bastidores e abertamente. Na última edição do Direto do Congresso, o líder da bancada, Vicentinho (SP), criticou a postura do relator. “O relator já disse nos jornais que vai condená-lo. Ele (Vargas) deve estar se sentindo muito mal, porque o que for falar não vai adiantar”, disse Vicentinho na ocasião.

O socialista não economizou ao responder o comentário do líder petista. “Não foi eu que fui ao plenário dizer que não conhecia o doleiro e depois que conhecia o doleiro, mas que não sabia por que eles estaria sendo investigado”, afirmou Delgado. “O PT tem muito mais a cobrar de seu ex-filiado e da postura que ele teve aqui de uma conduta que pode ser julgada antiética e indecorosa do que propriamente a gente que tem acompanhado todos os fatos”, acrescentou o relator.

Método de trabalho
A partir da aprovação do relatório preliminar que pediu a admissibilidade do caso, Delgado pode começar a juntar provas. O relator disse que pretende começar sua apuração colhendo dados do processo na Justiça Federal do Paraná e paralelamente entrar em contato com a Política Federal para obter detalhes da operação Lava Jato, durante a qual o doleiro Alberto Youssef foi preso. Delgado também pretende apurar até que ponto o doleiro teve vantagens no âmbito do Ministério da Saúde e de outros órgãos públicos onde o esquema supostamente tenha operado.

O deputado mineiro afirmou que a visita prévia que fez à PF em Brasília deve contribuir para acelerar a obtenção dos dados da Lava Jato e com a Justiça. “Isso ajuda para, quando o deputado André Vargas for notificado e tiver apresentando sua defesa, a gente fazer a solicitação oficial dessa documentação junto à Justiça Federal do Paraná”, declarou. A PF prometeu colocar a disposição de Delgado um policial para ajudá-lo no emaranhado de dados do inquérito.

Leia tudo sobre: PTrecessorelatorcrítica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas