Na TV, Dilma anuncia aumento de 10% do Bolsa Família e defende Petrobras

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente usou discurso para responder às críticas ao seu governo e disse que não vai permitir 'uso político' da estatal

A presidente Dilma Rousseff anunciou nesta quarta-feira (30), em pronunciamento na TV pela comemoração do Dia do Trabalhador, um reajuste de 10% nos benefícios do Bolsa Família. Dilma também afirmou que seu governo não vai "transigir" com casos de corrupção e saiu em defesa da Petrobras. 

Economia:

Dilma assina decreto para corrigir tabela do Imposto de Renda

Inflação é temporária, afirma Dilma Rousseff

“Assinei também um decreto que atualiza em 10% os valores do Bolsa Família recebidos por 36 milhões de brasileiros beneficiários do Programa Brasil sem Miséria”, declarou Dilma, programa que, segundo ela, vai garantir que esses cidadãos continuem acima da linha da extrema pobreza, definida pela Organização das Nações Unidas. O programa garante às famílias renda mínima de R$ 70 por pessoa. No início deste ano, o valor médio do pagamento aos beneficiários do Bolsa Família era R$ 150,60.

O discurso foi recheado de respostas a críticas que seu governo vem sofrendo. E, para rebater, a presidente anunciou medidas como correção da tabela do IR e compromisso de dar continuidade à política de reajuste real ao salário mínimo. Ela falou ainda que a inflação estará sob controle e disse que os aumentos são "localizados" e "temporários".

Veja a íntegra do pronunciamento:

A presidente também falou sobre casos de corrupção envolvendo a Petrobras, prometeu apurar as irregularidades e punir os responsáveis, mas disse que não permitirá que objetivos políticos prejudiquem a imagem da estatal. “Não transigirei, de nenhuma maneira, em combater qualquer tipo de malfeito ou atos de corrupção, sejam eles cometidos por quem quer que seja. Mas igualmente não vou ouvir calada a campanha negativa dos que, para tirar proveito político não hesitam em ferir a imagem dessa empresa que o trabalhador brasileiro construiu com tanta luta, suor e lágrimas”, disse.

E continuou: "O que tiver de ser apurado deve e vai ser apurado com o máximo rigor, mas não podemos permitir, como brasileiros que amam e defendem seu país, que se utilize de problemas, mesmo que graves, para tentar destruir a imagem da nossa maior empresa."

Dilma lembrou os pactos firmados após as manifestações de junho e disse que já produziram resultados. Na educação, a lei que permitirá que a maior parte dos royalties e dos recursos do pré-sal sejam aplicados na educação foi aprovada. Na saúde, o programa Mais Médicos viabilizou a chegada, em seis meses, de mais de 14 mil médicos em 3.866 municípios, oferecendo uma cobertura de atenção básica para 49 milhões de brasileiros.

“Foi assim que encaminhei ao Congresso Nacional uma proposta de consulta popular para que o povo brasileiro possa debater e participar ativamente da reforma política. Sempre estive convencida que sem a participação popular não teremos a reforma política que o Brasil exige. Por isso, além da ajuda do Congresso e do Judiciário, preciso do apoio de cada um de vocês, trabalhador e trabalhadora”, disse.

Com Reuters e Agência Brasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas