Berzoini: "Volta Lula" não tem sentido prático porque Dilma é a candidata

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

"A presidente Dilma tem o direito da reeleição e certamente vai exercer esse direito com o apoio do PT", disse o ministro

Agência Brasil

O ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, disse nesta quarta-feira (30) que o movimento “Volta Lula”, liderado pelo PR, sugerindo a indicação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato às eleições de outubro, é “real, porém minoritário”. Para Berzoini, a ideia não tem “sentido prático”, uma vez que a presidenta Dilma Rousseff será candidata à reeleição.

Leia também: Dilma diz que "tocará em frente" mesmo sem apoio da base

Pesquisa CNT: Dilma cai sete pontos e tem 37% das intenções de voto, diz pesquisa

“O sentimento do 'Volta Lula' tem uma base real, porém minoritária, no mundo político, porque as pessoas sabem, muito além de qualquer manifestação de apreço pelo Lula e pela presidenta Dilma, que esta é uma discussão de estratégia política. A presidente Dilma tem o direito da reeleição e certamente vai exercer esse direito com o apoio do PT e de vários outros partidos”, disse o ministro em café da manhã com jornalistas.

Dilma Rousseff adota discurso de candidata em festa de 34 anos do PT. Foto: Alice Vergueiro/Futura PressDilma encontra Fidel Castro em Havana (27/01/2014). Foto: APPresidente Dilma é citada como "A coragem do poder" em lista de líderes de 2013 do jornal espanhol El País. Foto: Reprodução/El PaísDilma Rousseff sobrevoa áreas atingidas pela chuva no Espírito Santo, na véspera do natal de 2013. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR Dilma recebe o presidente francês François Hollande no dia 12 de dezembro de 2013, em Brasília . Foto: Agência BrasilDilma cumprimenta presidente dos EUA, Barack Obama, durante cerimônia em homenagem a Mandela em Johanesburgo. Foto: APA presidente Dilma chega ao velório de Nelson Mandela, do qual foi uma das oradoras  . Foto: ReutersDilma recebe o apoio do PSD de Kassab para 2014. Foto: Beto Nociti/Futura PressA presidente Dilma e o presidente do Uruguai José Mujica. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR A presidente Dilma Rousseff é a segunda mulher mais poderosa do mundo na lista da "Forbes" . Foto: ReproduçãoDilma, que ocupava o 95º lugar no ranking da revista havia três anos, ficou atrás apenas da chanceler alemã, Angela Merkel.. Foto: Agência BrasilMaduro encontra Dilma em visita ao Brasil. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAAécio e Dilma se cumprimentam em cerimônia de abertura da ExpoZebu, em Uberaba, Minas Gerais. Foto: L. Adolfo/Futura PressAo lado do presidente boliviano, Evo Morales, e da presidente argentina, Cristina Kirchner, Dilma Rousseff acompanha posse de Maduro em Caracas. Foto: APCom Lula, presidente Dilma Rousseff comparece ao velório de Hugo Chávez em Caracas, na Venezuela. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR Ao lado de Wagner, Dilma participa de inauguração do estádio Arena Fonte Nova, em Salvador. Foto: Governo da BahiaA presidente Dilma Rousseff em visita ao Ceará. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR Dilma Rousseff cumprimenta papa após missa inaugural na Basílica de São Pedro, no Vaticano. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR Dilma usa crocs em evento com o primeiro-ministro da Rússia . Foto: Agência BrasilDilma vestiu gibão e chapéu de couro que ganhou do governador do Piauí, Wilson Martins (PSB). Foto: Thiago Amaral/Governo do PiauíDilma enfrentou frio de 9ºC negativos em visita a Moscou, na Rússia. Foto: Reuters'El País' inclui Dilma Rousseff na lista dos 13 líderes iberoamericanos de 2012. Foto: Reprodução

“Não é razoável que agora entremos nesse debate, porque ele não tem muito senso prático, com todo o respeito àquelas pessoas que defendem o 'Volta Lula' ”, acrescentou.

Mais cedo, em entrevista a rádios da Bahia, onde cumpre agenda, Dilma disse que considera “normal” o manifesto do PR pedindo a volta de Lula, mas que será candidata tendo ou não o apoio da base aliada.

Segundo Berzoini, a coalizão para apoiar a candidatura de Dilma à reeleição está sendo consolidada. “Temos um diálogo com todos os partidos que, no nosso entendimento, caminha para uma ampla coalizão. Já temos partidos que anunciaram apoio, outros que estão em vias de anunciar e outros que têm um processo decisório um pouco mais lento, masque também estão dialogando conosco no sentido de anunciar", ponderou.

Berzoini ao iG: "Dilma não pode se subordinar aos interesses do PT"

O governo também aposta nos programas sociais e nas medidas econômicas adotadas durante a crise mundial – sem corte de renda ou empregos – para dar sustentabilidade ao projeto de reeleição de Dilma, segundo Berzoini.

“Os resultados da presidenta Dilma, assim como os resultados do presidente Lula, são positivos para a sociedade, a quantidade de programas sociais, de investimentos, como o Minha Casa, Minha Vida e o Pronatec [Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego], que são programas relevantes e quem têm importância efetiva da vida das pessoas. Acreditamos que no momento em que a população estiver diante da opção real, vai levar em conta todas essas questões”, avaliou.

Berzoini criticou o pré-candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, por, segundo ele, fazer críticas sem apresentar propostas, e por formar alianças com nomes a quem sempre fez oposição, como os ex-senadores Jorge Bornhausen (DEM) e Heráclito Fortes (ex-DEM e atual PSB).

Leia tudo sobre: dilma roussefflulavolta lulaberzoinieleições

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas