PM e manifestantes entram em confronto em frente à Câmara Municipal de São Paulo

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo de sem-teto colocou fogo em pneus e lixeiras após a votação do Plano Diretor ter sido suspensa pelos vereadores

Manifestantes sem-teto e a Polícia Militar (PM) e a Guarda Civil Metropolitana (GCM) entraram em confronto no final da tarde de hoje (29) após a votação do Plano Diretor Estratégico (PDE) da cidade de São Paulo ter sido suspensa pelos vereadores da Câmara Municipal. Os manifestantes reivindicam a votação urgente do novo plano, em tramitação na Câmara desde setembro do ano passado.

Os manifestantes atearam fogo a pneus e lixeiras e também atiraram objetos contra as portas e janelas da sede da Câmara, localizada no centro da capital. As portas do local foram fechadas, segundo a assessoria da Casa e a Polícia Militar, para evitar confusão, já que vários manifestantes acompanharam a sessão plenária dentro do prédio.

Manifestantes e PMs entram em confronto em frente à Câmara. Foto: Renato S. Cerqueira/Futura PressSem-teto colocam fogo em pneus e lixeiras após Câmara adiar votação do Plano Diretor. Foto: Renato S. Cerqueira/Futura PressGrupo de sem-teto colocam fogo em pneus e banheiros químicos no centro de São Paulo. Foto: RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/AEManifestantes colocam fogo em pneus em frente à Câmara de São Paulo. Foto: Alice Vergueiro/Futura PressManifestantes pedem aprovação do Plano Diretor em frente à Câmara Municipal de São Paulo

. Foto: Renato S. Cerqueira/Futura Press

Policiais reagiram com jatos de água e bombas de gás contra os manifestantes. Segundo a Polícia Militar, a situação ainda é tensa. A PM informou à Agência Brasil que tenta dispersar os manifestantes para que os bombeiros possam chegar no Viaduto Jacareí e iniciar os trabalhos de contenção das chamas no local, para permitir a liberação da rua Dona Maria Paula, que está interditada no momento.

Segundo a Polícia Militar, cerca de 1 mil pessoas participam da manifestação. A Câmara Municipal, no entanto, informou a presença de 3 mil sem-teto no local.

Por meio das redes sociais, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) disse que a PM, acompanhada da guarda metropolitana, “despejou bombas e gás lacrimogêneo sobre os sem-teto e munícipes que acompanhavam do lado de fora a votação do plano diretor”. Segundo o movimento, embora a situação já esteja mais calma, “mais uma vez o povo é alvo e vítima da truculência. A culpa por esse incidente é dos vereadores que, no intuito de fazer uma votação na calada da noite, longe dos olhos de todos, adiaram a votação para a meia-noite, o que revoltou muitos companheiros e companheiras que acompanham a sessão”, diz o MTST.

Segundo a Câmara Municipal, a intenção da liderança do governo era votar o plano diretor em primeira discussão hoje, mas o projeto ainda precisa da aprovação de cinco comissões da Casa antes de ter condições de ir para votação em plenário. O regimento interno permite que essa votação seja feita em uma reunião conjunta dos colegiados, mas como a leitura dos votos em separado atingiu o limite de 75 minutos, previsto pelo regimento, a reunião foi suspensa. O presidente da Câmara, o vereador José Américo (PT), decidiu então adiar a votação para amanhã (29), quando os votos em separado e pareceres das comissões serão publicados no Diário Oficial, o que possibilitará a apreciação do plano diretor pelas comissões.

O MTST defende que sejam aprovados os substitutivos que atendem à maior parte das propostas dos movimentos sociais. Entre os itens que constam do substitutivo estão, além da demarcação de zonas especiais de Interesse Social (Zeis), a instituição da cota de solidariedade, no qual todo empreendimento para alta renda deve oferecer contrapartida social com moradia popular próxima; o impedimento de despejos; e políticas para criação de moradia próxima ao trabalho.

Além dos pontos reivindicados pelo MTST, o texto determina que prédios no interior dos bairros tenham no máximo 25 metros de altura, o que equivale a oito andares, e que grandes empreendimentos imobiliários sejam implantados só em locais onde já existe rede de transporte público.

Com Agência Brasil

Leia tudo sobre: mtstplano diretorcâmara municipaligsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas