Absolvido dos três crimes da época em que foi presidente, senador diz que decisão do Supremo passa 'a limpo o País'

Agência Senado

Ao comentar decisão do Supremo Tribunal Federal que o absolve das últimas acusações a ele imputadas , o senador e ex-presidente da República Fernando Collor (PTB-AL), alvo de impeachment em 1992, disse que experimentou um grande sofrimento ao "reviver em toda a sua extensão a tortura, a angústia e o sofrimento de quem é agredido meses a fio" e que, além disso, "teve de suportar as agruras de acusações infundadas e a condenação antes mesmo de qualquer julgamento".

Infográfico: Veja linha do tempo do impeachment de Collor

STF absolve ex-presidente Fernando Collor por falta de provas

Segundo o senador, a decisão do Supremo Tribunal Federal, tomada por unanimidade na quinta-feira (24), não só alivia as angústias que ele sofria havia 23 anos, como também permite reescrever a história do país, no período em que ele passou na Presidência e em que implantou, como observou, "medidas macroeconômicos e estruturantes" da administração federal, como a abertura comercial e a quebra de monopólios. Sem essas medidas, disse ele, seria impossível a estabilização alcançada pelo país.

Ao final do discurso, Collor citou Brecht: 'A verdade avança e nada a deterá'
Agência Senado
Ao final do discurso, Collor citou Brecht: 'A verdade avança e nada a deterá'

“Estou absolvido de todas, absolutamente todas as acusações. Estou inocentado de todas as delações. A ninguém é mais dado o direito, salvo por reiterada má fé, de dizer o contrário. Todavia, depois de mais de duas décadas de expectativas e inquietações pelas injustiças a mim cometidas, cabe agora perguntar: quem poderá me devolver tudo aquilo que perdi, a começar pelo meu mandato presidencial?”, questionou Collor.

Para o senador, o julgamento possui, em especial, "o mérito e a virtude de passar a limpo o país", no que se refere ao período que ele passou à frente da Presidência da República. Em sua opinião, este foi um dos períodos mais importantes da história da República, uma vez que "consolidou o processo de redemocratização política por meio da primeira eleição direta para presidente da República, após 25 anos de governo sob um estado de exceção".

Dezembro: Collor divulga foto de viagem à África com Dilma, Lula, FHC e Sarney

A decisão do Supremo, a seu ver, permitirá mais do que o resgate da justiça e da imagem de um homem público. Propiciará, também, a "reflexão da sociedade em geral sobre a verdade dos fatos e, em particular, de uma geração de jovens, que tão somente ouviram inverdades ou estudaram em livros tendenciosos por versões falseadas".

Além da decisão unânime do Supremo de absolver o ex-presidente de todas as acusações ainda pendentes, o tribunal resolveu, por cinco votos a três, absolvê-lo, também no mérito, de outros dois crimes, mesmo em detrimento de sua prescrição.

“Ou seja, mesmo nesse caso, a maioria julgou pela absolvição completa ou, em outras palavras, não houve, nos 16 votos proferidos nas duas votações quanto às preliminares e quanto ao mérito, nenhum voto pela minha condenação em relação aos três crimes de que me acusava o Ministério Público. E não poderia ser diferente”, afirmou Collor.

Ao final de seu pronunciamento, o senador lembrou o dramaturgo alemão Bertold Brecht, para quem "a verdade avança e nada a deterá": “É o caso exemplar do ditado vincit omnia veritas, ou seja, a verdade tudo vence.”

    Leia tudo sobre: impeachment
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.