Padilha diz que Vargas apresentou laboratório investigado ao Ministério da Saúde

Por iG São Paulo - Julianna Granjeia | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-ministro e pré-candidato do PT em São Paulo diz que mente quem cita relação dele com doleiro Alberto Youssef

O pré-candidato do PT ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, afirmou nesta sexta-feira (25) que o deputado André Vargas (PR) - que se desfiliou do PT no início da noite - apresentou o laboratório farmacêutico Labogen para possíveis contratos com o Ministério da Saúde quando ele era ministro. No entanto, a pasta não chegou a firmar nenhum tipo de contrato com a empresa.

Padilha cancelou sua agenda no interior do Estado para se defender das acusações de que tenha indicado Marcus Cezar Ferreira de Moura para dirigir o Labogen, que é controlado pelo doleiro Alberto Youssef, investigado pela Operação Lava Jato da Polícia Federal.

"Mente quem cita qualquer relação minha com o doleiro. Mente quem diz que eu indiquei Marcos Cezar para qualquer laboratório privado. Mente quem diz que existe ou existira qualquer contrato com a Labogen na minha gestão", afirmou Padilha.

Julianna Granjeia/iG São Paulo
Alexandre Padilha, pré-candidato do PT ao governo de São Paulo


Ele também afirmou que irá interpelar judicialmente qualquer pessoa que o tenha citado sem autorização. Inclusive Vargas. "Vou orientar meus advogados, a partir do momento que tiverem acesso a todo relatório, a interpelar judicialmente qualquer pessoa que tenha utilizado meu nome em vão (...) Se o senhor André Vargas ou qualquer pessoa usou meu nome em vão, vou interpelar judicialmente e esclarecer isso", afirmou.

O ex-ministro não respondeu diretamente se a atividade de Vargas, ao apresentar o Labogen a ele, configuraria lobby, mas disse que se alguém o procurou para "pular ritos do Ministério" "bateu na porta errada".

"Vargas tratou comigo, sim, sobre esse laboratório, mais de uma vez, e eu cumpri a minha obrigação de ministro, de receber a proposta e encaminhá-la formalmente para a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde. Se qualquer pessoa imaginou que estabeleceria um contrato com o Ministério da Saúde sem passar pelos filtros que estabeleci, bateu na porta errada."

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas