Dilma perde três pontos, mas ainda venceria eleição no primeiro turno, diz Ibope

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Atual presidente tem 37% das intenções de voto; Aécio Neves alcançou 14% e Eduardo Campos se manteve em 6%

A presidente Dilma Rousseff (PT) perdeu três pontos percentuais na disputa presidencial de março para abril, mas ainda venceria no primeiro turno se a eleição fosse hoje. Segundo pesquisa dilvulgada nesta quinta-feira pelo Ibope, a presidente tem 37% das intenções de voto, contra 40% no mês passado.

O ex-senador Aécio Neves (PSDB) ganhou um ponto percentual e tem 14% das intenções de votos. O ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) manteve os 6%.

Datafolha: Dilma perde seis pontos, mas venceria no 1º turno

Vox Populi/Carta Capital: Dilma tem 40% dos votos e venceria no 1º turno

Entre os candidatos menores, o pastor José Everaldo (PSC) passou de 3% para 2%. Os outros pré-candidatos alcançaram juntos 3% das intenções de votos. Ainda de acordo com a pesquisa, 24% dos eleitores disseram que votarão em branco ou anularão o voto, enquanto 13% afirmam não saber em quem votar ou não responderam.

Em um cenário, apenas com Dilma, Aécio e Campos na disputa, a atual presidente tem 39% dos votos (em março, o índice era de 43%). O candidato do PSDB ganhou um ponto percentual e tem 16%. Já Campos, passou de 7% em março para 8% em abril. A taxa de brancos e nulos soma 26% neste cenário (um ponto percentual a mais que o levantamento anterior).

O Ibope também questionou os eleitores sobre um possível segundo turno. A pesquisa mostrou que a presidente continua vencendo em qualquer um dos dois cenários mais prováveis. Contra Aécio, a petista teria 43% enquanto o tucano somaria 22%. Na disputa com Campos, o resultado seria 44% contra 17%. A ex-senadora Marina Silva (PSB) seria a opositora mais forte e teria 25% contra 41% da petista.

O instituto entrevistou 2002 eleitores, em 140 municípios, entre os dias 10 e 14 de abril. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

*com Infomoney

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas