STF tomará decisão inédita sobre CPI da Petrobras, diz Renan

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Oposição e base aliada entraram com mandados de segurança para que STF defina escopo das investigações sobre a estatal

Reuters

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse nesta terça-feira (15) que o Supremo Tribunal Federal (STF) terá que tomar uma decisão inédita sobre a criação de CPIs no Congresso, depois que senadores governistas e de oposição ingressaram com mandados de segurança para impedir a criação de investigações na Casa.

Graça Foster: Compra de Pasadena pela Petrobras 'não foi bom negócio'

Ao STF, Renan defende criação de CPI ampla sobre metrô e Petrobras

"É um caso inédito até agora. O Supremo em nenhum momento tratou da criação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com fatos múltiplos e se fatos múltiplos precisam ter nexo entre eles ou não. Essas coisas vão ter que ser decididas de maneira inédita pelo Supremo", disse Renan a jornalistas nesta terça.

Na semana passada, depois de manobras políticas sobre a criação de uma CPI para investigar exclusivamente denúncias relacionadas à Petrobras ou uma CPI sobre a estatal e um suposto cartel de trens e metrôs em São Paulo e no Distrito Federal, senadores governistas e de oposição ingressaram no STF com mandados de segurança pedindo liminares para impedir a instalação das investigações políticas que cada um dos lados propôs.

O governo já considera consumada a investigação parlamentar da Petrobras, mas quer incluir o suposto cartel de trens e metrôs, que podem envolver políticos do PSDB. Já a oposição quer uma CPI restrita sobre a Petrobras.

Leia mais: Dilma diz que 'nada nem ninguém' conseguirá destruir Petrobras

Semana passada: Comissão do Senado aprova criação de CPI ampla

As ações jurídicas estão sendo analisadas pela ministra Rosa Weber, no STF. Renan afirmou que enviou explicações ao STF, como solicitado, e irá acrescentar mais detalhes nesta terça.

A disputa política foi parar na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, que decidiu pela criação da CPI mais ampla. O relatório aprovado na comissão será votado no plenário do Senado nesta terça.

Renan afirmou que colocará o relatório em votação independentemente da análise jurídica do Supremo. No entanto, uma decisão do STF contra a CPI ampla colocaria os dois Poderes em rota de colisão.

CPI mista

Além da votação sobre a CPI no Senado, Renan também afirmou que lerá os requerimentos de criação de CPIs mistas, entre Câmara e Senado, com os mesmos teores dos apresentados por senadores governistas e oposicionistas na sessão do Congresso marcada para esta terça. "(Isso) vai seguir o procedimento regimental, vou ler os requerimentos e terá prazo até meia-noite para retirada de assinaturas", disse o presidente do Senado.

Disputa:

Oposição entra no Supremo para garantir CPI exclusiva da Petrobras

PT recorre ao STF para tentar barrar CPI da Petrobras

Ele afirmou ainda que, caso os pedidos sejam questionados, assim como ocorreu no Senado, responderá às questões de ordem e poderá inclusive levar a decisão para a CCJ do Senado, se achar que as questões de ordem que surgirem tiverem fatos novos.

Depois de lidos na sessão do Congresso, os requerimentos permitirão também a instalação de CPIs mistas para investigar a Petrobras e o suposto cartel de trens e metrôs de São Paulo e do Distrito Federal.

A criação de uma CPI para investigar a estatal pode causar dificuldades políticas à presidente Dilma Rousseff, que tenta a reeleição. Por isso, o governo tenta usar o mesmo instrumento político para atingir a oposição.

Leia tudo sobre: renan calheiroscpi da petrobrasstfrosa weber

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas