Protesto da Frente de Esculacho acusa Fiesp de apoio à ditadura militar

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

A Comissão da Verdade de São Paulo apresentou documentos obtidos no Arquivo Público do Estado que mostravam indícios de ligação entre a entidade e os serviços de repressão da época

Agência Brasil

A Frente de Esculacho Popular (FEP) realizou nesta quarta-feira (9) ato de protesto na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), localizada na avenida Paulista, acusando a entidade de apoiar a ditadura militar (1964-1985). Além da Fiesp, o banco Itaú virou alvo do grupo. Segundo os ativistas, a instituição ajudou a financiar o regime militar e recentemente chegou a distribuir uma agenda em que chamava de “revolução” o golpe de 1964.

Leia mais: Mobilização tenta apagar símbolos da ditadura que dão nome a ruas no País

50 anos do golpe: a ação militar que mergulhou o País em 21 anos de ditadura

“Hoje estamos esculachando não uma pessoa, como fizemos até agora, mas duas empresas, que são mais representativas de toda uma estrutura: a Fiesp e o Itaú. A Fiesp foi uma das principais organizadoras das reuniões, chamadas de grupos de trabalho, onde os empresários se reuniam para contribuir para a caixinha da ditadura", explicou Lavinia Clara Del Roio, uma das organizadoras do ato. Segundo Lavinia, essas empresas, entre várias outras, financiaram a preparação do golpe, a ditadura e a repressão e, em troca desse apoio, receberam “facilitações fiscais”, o que as fez “crescer enormemente”.

Quanto ao Itaú, Lavinia disse que o banco foi escrachado principalmente pelo fato de um de seus controladores, Olavo Setúbal, ter sido prefeito biônico de São Paulo entre os anos de 1975 e 1979.

Segundo a Frente de Esculacho Popular, a “caixinha” era feita pelo regime entre os empresários paulistas para financiar a Operação Bandeirante (Oban), responsável por atos de repressão durante o regime. Em fevereiro do ano passado, a Comissão da Verdade de São Paulo apresentou documentos obtidos no Arquivo Público do Estado que mostravam indícios de ligação entre a Fiesp e os serviços de repressão da época.

Leia também: Fantasmas da ditadura ainda assombram o Brasil 50 anos após golpe

Entre os documentos, há seis livros datados dos anos 70 que registram entradas e saídas de funcionários e visitantes do extinto Departamento de Ordem Política e Social (Dops) em São Paulo, um dos órgãos da repressão. Segundo a comissão, nesses livros, há registro de entradas de Geraldo Resende de Matos, cujo cargo é identificado como representante da “Fiesp”.

De acordo com Lavinia, as empresas e a federação precisam dar uma resposta à sociedade. E não somente isso. Para ela, a Fiesp, por exemplo, deveria abrir seus arquivos, encontrar os culpados e puni-los. “As empresas tem que se posicionar. Pedimos uma posição e também que, eventualmente, sejam encontrados os nomes e que se tenha punição e ressarcimento”, disse ela.

Durante o protesto, vários cartazes denunciando a participação e apoio da Fiesp e do Itaú na ditadura militar foram colados em postes, orelhões e pontos de ônibus na região da avenida Paulista.

A Frente de Esculacho Popular, criada em 2012, é uma organização composta por familiares de vítimas da ditadura e ativistas de direitos humanos, em geral. O objetivo da frente é promover esculachos, denunciando os colaboradores da ditadura militar, sejam eles pessoas ou empresas.

Procurados pela Agência Brasil, nem a Fiesp, nem o Itaú se pronunciaram.

Leia tudo sobre: ditadura militarfiespesculacho

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas