Ciro Gomes anunciará sua candidatura ao Senado na quinta-feira

Por Luciana Lima - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

PT indicará o vice de Eunício ao governo do Ceará e abrirá mão de lançar José Guimarães ao Senado. O acordo tem o objetivo de formar um palanque amplo para Dilma no Estado

O ex-ministro Ciro Gomes (PROS-CE) anunciará nesta quinta-feira (3) sua candidatura ao Senado na composição com o PMDB, que lançará o nome do senador Eunício Oliveira para o governo do Ceará. O anúncio será feito junto com o governador Cid Gomes, irmão de Ciro, que renunciará ao comando do Estado para permitir a candidatura.

O acordo com Eunício foi fechado em conversas mantidas desde a semana passada. Além do PMDB e PROS, o PT também vai integrar a aliança, que tem por objetivo formar uma frente ampla de apoio à presidente Dilma Rousseff.

Divulgação
Ciro Gomes disputará vaga no Senado

Embora o PT local tenha decidido lançar José Guimarães para o Senado, a orientação do PT nacional é para que o partido ceda a vaga a Ciro em nome da aliança. Essa garantia já foi dada ao PMDB pelo presidente do PT nacional, Rui Falcão.

A ideia do PT nacional é ter um palanque amplo capaz de fazer frente à influência do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), na região Nordeste.

O anúncio da candidatura será feito após uma atividade do governador Cid Gomes no município de Limoeiro do Norte, marcado para às 18 horas de amanhã.

Guimarães, que foi um dos principais incentivadores da aproximação entre os irmãos Gomes e Eunício Oliveira, aceitará abrir mão da candidatura ao Senado em nome da aliança, mas só comunicará essa decisão após o aval de seu partido. Pelo acordo, caberá ao PT do Ceará indicar o vice de Eunício. Um dos nomes cotados é do deputado estadual Camilo Santana.

“Estamos aguardando a decisão do governador Cid Gomes. Ninguém me pediu nada até agora. Tive mais de 85% dos votos para minha candidatura ao Senado e só posso desistir dela fazendo uma nova consulta ao partido”, disse o deputado.

No caso de Cid e Ciro, por se tratar de parentesco muito próximo, a lei eleitoral exige a renúncia de Cid e veta a candidatura de Ciro ao cargo de governador. Com a renúncia, os dois podem ser candidatos a qualquer outro cargo.

Leia tudo sobre: ciro gomescid gomessenadodilma rousseffeleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas