CGU abre sindicância para apurar denúncias de suborno envolvendo Petrobras

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Objetivo da sindicância é, segundo o órgão, 'aprofundar a apuração interna' da estatal. Investigação tem 30 dias de prazo

Agência Brasil

A Controladoria-Geral da União (CGU) anunciou hoje (2) a abertura de sindicância para apurar as denúncias de pagamento de suborno por parte da empresa holandesa SBM Offshore a empregados da Petrobras. O objetivo da sindicância é, segundo o órgão, “aprofundar a apuração interna feita no âmbito da Petrobras”. A investigação tem 30 dias de prazo, a partir de sua publicação no Diário Oficial, para ser concluída. É prevista, no entanto, a possibilidade de prorrogação do prazo por igual período.

Presidente do Senado deixa decisão final sobre CPIs para CCJ da Casa

Leia mais: Oposição protocola pedido de CPI mista para investigar Petrobras

A abertura de sindicância foi determinada pelo ministro Jorge Hage. Ele elogiou a investigação feita pela estatal e a vê como “ponto de partida” para o trabalho da CGU. O órgão não vai se ater apenas à Petrobras. A investigação vai abranger a SBM Offshore e suas representantes no Brasil. Durante o processo de sindicância serão cruzados dados de investigações da Polícia Federal, analisados documentos e coletados depoimentos. Além disso, o setor de Cooperação Internacional da CGU vai buscar informações com os ministérios públicos da Holanda e dos Estados Unidos.

A apuração da Petrobras, conforme a própria empresa já havia anunciado no último dia 31, não encontrou indícios de suborno. “Baseada nos trabalhos feitos e restrita à sua competência, regulamentar, não encontrou fatos ou documentos que evidenciem pagamento de propina a empregados da Petrobras”, disse a empresa.

Contra-ataque: Governistas apresentam pedido de CPI ampliada no Senado

A própria SBM Offshore se manifestou sobre o caso. Em nota divulgada hoje (2), ela repetiu o discurso da empresa brasileira e disse que, após investigação interna, não encontrou indícios de suborno a funcionários da Petrobras. “No que diz respeito ao Brasil, existiam alguns indícios, mas a investigação não encontrou nenhum elemento credível de que a companhia ou de que o representante comercial da companhia efetuaram pagamentos indevidos a funcionários públicos [incluindo funcionários de empresa estatal]”. Ela ainda manifestou satisfação pela conclusão da investigação da Petrobras.

Leia tudo sobre: cpi da petrobrascgu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas