Grupo faz ato em São Paulo contra capitão acusado de crimes na ditadura

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Movimentos socais fizeram escracho em frente à casa do delegado Aparecido Laertes Calandra, conhecido como Capitão Ubirajara, no bairro do Ipiranga, na capital paulista

Agência Brasil

Movimentos socais fizeram um ato de escracho na manhã desta terça-feira (1º), às 6h30, em frente à casa do delegado Aparecido Laertes Calandra, conhecido como Capitão Ubirajara, no bairro do Ipiranga, na capital paulista. O capitão é acusado de torturas e mortes ocorridas no Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), no período da ditadura.

Ato no DOI-Codi de São Paulo homenageia as vítimas da ditadura

De acordo com a Polícia Militar, a ato foi pacífico e teve 30 participantes. O movimento Levante Popular da Juventude, que organizou o escracho, contabilizou 100 pessoas. Segundo Pedro Freitas, integrante do Levante, os participantes entregaram panfletos e conversaram com vizinhos. Eles pintaram o rosto e fizeram uma batucada. Também picharam frases como “Aqui mora um torturador” no muro próximo à casa de Calandra.

Entre as acusações contra Aparecido Laertes Calandra, encontram-se os seguintes: envolvimento na morte de Vladimir Herzog; desaparecimento do estudante Hiroaki Torigoe; tortura e morte do ex-dirigente do PCdoB, Carlos Nicolau Danielli; tortura de Maria Amélia, do jornalista Sérgio Gomes, do deputado Adriano Diogo, do jornalista Arthur Scavone e do deputado federal Nilmário Miranda.

Poder online: Casa do coronel Ustra é alvo de escracho em Brasília

Infográfico: os 10 fatos no Brasil e no mundo antes e depois de 1964

Franklin Martins: 'Forças Armadas devem pedido formal de desculpas ao País'

50 anos depois: Deputados ex-Arena rejeitam reedição das marchas do golpe de 64

Segundo o movimento, a importância do ato é não deixar que as ações da ditadura caiam no esquecimento. “O escracho tem como objetivo não deixar que a juventude brasileira esqueça o dia em se completa os 50 anos do golpe mlitar, que submeteu nosso país a uma ditadura de mais de 20 anos e denunciar todos os abusos e violências sofridas pelos militantes que se recusaram a aceitar as arbitrariedades impostas pelo regime de exceção que vigorou no Brasil até 1985”, diz a nota do movimento.

Violência policial é herança da ditadura: ‘Pau-de-arara está onde sempre esteve'

1964: Brasil foi o único país da América Latina a mascarar golpe com 'ar democrático'

Anos de chumbo: Militares mantêm silêncio e ainda chamam golpe de revolução

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas