Homenagem de Bolsonaro à ditadura causa tumulto na Câmara e sessão é suspensa

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O presidente da sessão, deputado Amir Lando, teve de suspender o evento dos 50 anos do golpe após o tumulto

A sessão solene para debater os 50 anos do golpe militar de 1964, no plenário da Câmara nesta terça-feira (1º), foi marcada por tumulto e bate-boca, e teve de ser suspensa. Os deputados viraram as costas ao colega Jair Bolsonaro (PP-RJ), defensor ditadura militar, que subiu na tribuna para fazer um discurso a favor dos militares. "Vocês vão ser torturados com algumas verdades aqui. Deixe-os de costas, presidente, por favor", disse Bolsonaro diante das manifestações contrárias a ele.

Cartazes apócrifos em SP trazem 'Dilma procurada' e 'Bolsonaro presidente'

Poder Online: Sessão sobre golpe tem confusão e perfomance de Bolsonaro

Infográfico: os 10 fatos no Brasil e no mundo antes e depois de 1964

Franklin Martins: 'Forças Armadas devem pedido formal de desculpas ao País'

Homenagem de Bolsonaro à ditadura causa tumulto na Câmara. Foto: Agência CâmaraHomenagem de Bolsonaro ao golpe militar e à ditudura causa tumulto e confusão na Câmara. Foto: Agência BrasilDeputados e manifestantes viram as costas para discurso de Bolsonaro. Foto: Agência CâmaraHomenagem de Bolsonaro ao golpe militar e à ditudura causa tumulto e confusão na Câmara. Foto: Agência BrasilHomenagem de Bolsonaro ao golpe militar e à ditudura causa tumulto e confusão na Câmara. Foto: Agência BrasilHomenagem de Bolsonaro ao golpe militar e à ditudura causa tumulto e confusão na Câmara. Foto: Agência BrasilFaixa estendida durante sessão da Câmara do Deputados. Foto: Antonio Augusto / Câmara dos DeputadosHomenagem de Bolsonaro ao golpe militar e à ditudura causa tumulto e confusão na Câmara. Foto: Agência Brasil


O presidente da sessão, deputado Amir Lando (PMDB-RO), decidiu encerrar o evento, após manifestantes se recusarem a virar de frente para ouvir o discurso do deputado. “Democracia é conflito”, disse Lando. “As partes têm que ouvir as outras”, completou. Manifestantes mostraram cartazes com os dizeres “A voz que louva a ditadura calou a voz da cidadania”, com fotos de desaparecidos políticos.

Mais cedo, a sessão também teve de ser suspensa após uma faixa que parabenizava os militares pelo golpe de 1964 ser estendida na galeria do plenário: "Graças a vocês o Brasil não é Cuba". Também a decisão do presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), de limitar a 100 o número de convidados para acompanhar a sessão no plenário provocou debate entre alguns deputados e seguranças da Casa.

Depois da confusão, Alves reviu a medida e liberou a entrada ao plenário e também à galeria. De acordo com o secretário-geral da Mesa, Mozart Viana, a restrição foi tomada para evitar um confronto entre grupos a favor e contrários ao golpe de 1964.

1964: Saiba como foi a ação militar que tirou Jango do poder

Violência policial é herança da ditadura: ‘Pau-de-arara está onde sempre esteve'

1964: Brasil foi o único país da América Latina a mascarar golpe com 'ar democrático'

'Me orgulho de nunca ter entregado ninguém', diz ex-companheira de cela de Dilma

Leia mais: Golpe de 1964 só deu certo porque militares tiveram apoio da sociedade 

* Com informações da Agência Brasil e Agência Câmara

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas