Comissão ainda nem foi instalada, mas pode já ter feito sua primeira vítima: o governador do Amapá, Camilo Capiberibe

Brasil Econômico

A CPI da Petrobras ainda nem foi instalada, mas pode já ter feito sua primeira vítima: o governador do Amapá, Camilo Capiberibe (PSB). Mesmo depois do rompimento dos socialistas com o governo em nível federal, os petistas do Estado tinham o apoio da direção nacional para continuarem próximos ao governador. O PT deveria inclusive estar ao lado da sua candidatura à reeleição, contra o grupo ligado ao senador José Sarney (PMDB-AP), um aliado fiel de Lula e Dilma Rousseff em Brasília. A situação começou a mudar na semana passada, pois o senador João Capiberibe, pai do governador, decidiu apoiar a criação da comissão para investigar irregularidades na estatal. Líderes petistas resolveram dar o troco nos aliados que apoiaram a investigação.

No fim do ano passado, quando o PSB decidiu lançar a candidatura do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, à Presidência da República, os dois partidos se distanciaram nos principais Estados. As exceções, por enquanto, eram o Amapá e o Espírito Santo, ambos colégios eleitorais pequenos em que os petistas deveriam apoiar os socialistas. Existe a possibilidade também de o PSB apoiar o PT no Acre, terra natal da líder da Rede, a ex-senadora Marina Silva. Ela tem ligações históricas com os irmãos Viana - o senador Jorge e o governador, Tião - expoentes do PT no Estado. Agora, Campos acentuou seu papel de oposicionista e defendeu que todos os parlamentares do partido assinassem o pedido de CPI. Houve até dúvidas se Capiberibe iria ceder à pressão partidária. E a conta por isso, ao que tudo indica, acabará sendo cobrada de Camilo.

Sucesso no Face

O programa de TV de Eduardo Campos e Marina bateu recorde de curtidas e comentários na página do governador pernambucano no Facebook. Em menos de 24 horas foram dez mil curtidas e quase dois mil comentários.

Atos lembram os 50 anos do golpe

A Comissão da Verdade Rubens Paiva de São Paulo realiza na manhã de hoje um ato em frente à antiga sede do Doi-Codi paulista, na rua Tutoia, para lembrar os 50 anos do golpe que instaurou a ditadura no País. Cerca de cinco mil pessoas foram presas e torturadas no prédio, tombado pelo Patrimônio Histórico. A PUC-SP fará a campanha virtual #LembrarÉResistir. A ação recordará o papel da universidade na oposição ao governo ditatorial. A Cásper Líbero organiza um ciclo, de hoje à sexta-feira, de debates e exibição de filmes para discutir como a ditadura influenciou a produção cultural, artística e até mesmo o futebol no período.

Ex-deputado oferece recompensa para esclarecer assassinato

O ex-deputado federal baiano Uldurico Pinto ofereceu uma recompensa de R$ 30 mil, do próprio bolso, para quem fornecer informações que possam esclarecer o assassinato do jornalista e radialista Gel Lopes, há um mês, em Teixeira de Freitas, no extremo Sul da Bahia. Até o momento, não há nenhuma pista sobre os criminosos. Homens encapuzados cercaram e dispararam seis tiros de pistola na cabeça e no pescoço do jornalista.

Remando pela Maré

Músicos importantes como Laudir de Oliveira, ex-integrante dos grupos Chicago e Sergio Mendes; Guto Goffi, baterista do Barão Vermelho, e o percussionista americano John Grant fazem parte do projeto Oficina Percussão na Maré 2014, realizado na ONG Ação Comunitária do Brasil, no Complexo da Maré, subúrbio do Rio. O trabalho é coordenado pelo cantor angolano Abel Duërë e tem apoio do Instituto Invepar. O projeto, que inicia nova turma, já formou cerca de 100 jovens.

Luiz Alberto Figueiredo, ministro das Relações Exteriores , sobre a crise na Crimeia e as ameaças de punição à Rússia: “Não podemos voltar à lógica de sanções e contrassanções. Temos que resolver a situação pelo diálogo. A Ucrânia é um país amigo do Brasil”

*Com Leonardo Fuhrmann

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.