MP recomenda que prefeitura e governo não paguem gastos extras do Itaquerão

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Prefeitura e o governo já afirmaram que não assumirão os gastos com as estruturas temporárias do estádio, estimados em R$ 60 milhões. Mas há forte pressão para que banquem a conta

Brasil Econômico

O promotor Marcelo Milani, da área de Patrimônio do Ministério Público de São Paulo, enviou uma recomendação ao prefeito paulistano, Fernando Haddad (PT), e à Procuradoria Geral do Estado para que nem a Prefeitura ou o governo assumam os custos das estruturas temporárias do Itaquerão, o estádio da abertura da Copa do Mundo. Milani orientou também a prefeitura e a Procuradoria para que o Poder Público não pague as despesas da Fan Fest (eventos em espaços públicos para exibição dos jogos), não dê transporte gratuito nem compre ingressos para doar. Se órgãos públicos assumirem despesas como essas, ficará comprovado o uso do dinheiro público em evento privado, explica o promotor. Esse ato poderá ser caracterizado como improbidade administrativa.

Haveria conduta inadequada de governantes ou ato que cause lesão ao patrimônio público. O promotor Milani, no entanto, não adiantou em quais condutas as autoridades poderiam ser enquadradas. A prefeitura e o governo já afirmaram que não assumirão os gastos com as estruturas temporárias do estádio (ampliação de arquibancadas, aluguel de telões e infraestrutura de áreas VIPs), estimados em R$ 60 milhões. Mas há uma forte pressão para que o poder público fique com a conta. A Fifa e o Corinthians, responsável pela obra, não querem pagar e há o risco de a abertura da Copa não ocorrer em São Paulo. É certo que essas estruturas não ficarão prontas até 15 de abril, o prazo da Fifa para entrega do estádio. Essas estruturas exigirão ao menos 40 dias para serem instaladas. A prefeitura disse não ter recebido a comunicação, até ontem à tarde.

Representantes do MP discutem ação conjunta

Procuradores da República e promotores públicos de áreas como Patrimônio, Infância e Deficientes das 12 cidades-sedes da Copa do Mundo têm se reunido em Brasília para traçar uma ação em conjunto no País em relação ao evento.

O candidato Andrés aguarda definição

Aliados do ex-presidente do Corinthians Andrés Sanchez garantem que ele é candidato a deputado federal pelo PT. Mas, precavido, Andrés não fez o anúncio ainda por causa das indefinições sobre o Itaquerão. Se der tudo certo, mantém a candidatura. Do contrário, desiste.

A última a saber

A indicação do deputado federal Ricardo Berzoini (PT-SP) para o lugar da ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, gerou mal-estar e constrangimentos. A notícia vazou antes de a ministra e as bancadas governistas serem informadas.

Cunha também sai com marcas

Se o Planalto colheu resultados negativos nas últimas semanas por causa da disputa com o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), agora já tem gente próxima ao governo comemorando uma virada no jogo. Avaliam que a exposição de seu nome e maneira de atuar acabaram prejudicando as ambições do peemedebista. Temendo derrotas, Cunha foi obrigado a começar a recuar. “Ele viu que o adversário era maior e amarelou”, brinca um parlamentar petista.

O que é que o governo da Bahia tem?

No próximo dia 30 de abril, Dorival Caymmi completaria 100 anos. A família do compositor de músicas famosas que relatam a vida das pessoas comuns da Bahia, no entanto, ainda não foi informada sobre qualquer atividade do governo baiano para a data. A Secretaria de Cultura garante que terá uma programação, a ser divulgada. E que “cogita” um show dos Caymmi.

Asdrubal Bentes, deputado federal (PMDB-PA), ao renunciar ao mandato, depois de ser condenado criminalmente: “Renuncio para preservar a imagem do Legislativo e dos meus companheiros, que serão alvo de muita pressão”

*Com Leonardo Fuhrmann

Leia tudo sobre: mosaico político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas