Ciro Gomes deverá ser candidato ao Senado na chapa de Eunício

Por Luciana Lima - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A ideia é formar uma frente ampla de apoio a Dilma no Nordeste e fazer frente à candidatura de Eduardo Campos

O ex-ministro Ciro Gomes (PROS-CE) deverá ser candidato ao Senado na chapa da candidatura do senador Eunício de Oliveira (PMDB) ao governo do Ceará. A composição já conta com o aval da presidente Dilma Rousseff, que esteve no Ceará na semana passada e conversou com os irmãos Gomes e com o senador Eunício.

Leia mais: PROS desiste de Integração Nacional e pede apoio do PT para candidaturas

Divulgação
Ex-ministro Ciro deve tentar vaga no Senado

Para que Ciro se candidate, Cid terá que renunciar ao mandato até o dia 4 de abril, prazo máximo estabelecido pela lei eleitoral para desincompatibilização. No caso de Cid e Ciro, por se tratar de parentesco muito próximo, a lei exige a renúncia de Cid e veta a candidatura de Ciro ao cargo de governador. Com a renúncia, os dois podem ser candidatos a qualquer outro cargo.

O senador Eunício de Oliveira antecipou sua volta ao Estado na terça-feira para cuidar pessoalmente das conversas. Além de encontros com Ciro Gomes, ele tem uma conversa marcada com Cid na sexta-feira.

A tática de Eunício é manter em torno de sua candidatura toda base de apoio à presidente Dilma e evitar palanque duplo da presidente no Estado.

Já para Dilma, ter uma base ampla no Ceará é fundamental para fazer frente no Nordeste ao seu adversário, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB).

Por enquanto, as conversas são mantidas nos bastidores. O único a se manifestar publicamente foi o governador Cid Gomes que, na segunda-feira (24), se disse disposto a renunciar caso seu irmão, Ciro, seja candidato. Ciro tem negado publicamente sua intenção de se candidatar.

A composição também já conta com aval da cúpula do PMDB. “É a chapa dos sonhos”, disse o presidente do partido, senador Valdir Raupp (RO). Além de apaziguar as divergências na aliança nacional, o PMDB terá a máquina do estado a seu favor. O vice de Cid, Domingos Gomes de Aguiar Filho, que migrou do PMDB para o PROS, assumirá no caso da renúncia e é um dos principais aliados de Eunício.

A candidatura de Ciro ao Senado acaba, no entanto, com os planos do deputado José Guimarães (PT) de disputar a vaga. Guimarães deverá cuidar da sua reeleição e caberá ao PT do Ceará indicar o vice de Eunício. Um dos nomes cotados é do deputado estadual Camilo Santana.

Embora o PT nacional aceite a composição, Guimarães terá que ainda enfrentar parte minoritária do PT local que defende candidatura própria do partido. A orientação dada pelo PT Nacional ao Ceará é de aliança com o PMDB e com o PROS.

Outro prejudicado na chapa é o senador Inácio Arruda (PCdoB), que também quer se reeleger. Arruda, no entanto, tem defendido priorizar a formação de uma base ampla no estado de apoio à Dilma. Neste caso, ele abriria mão da candidatura para que o PCdoB possa indicar uma vaga na suplência de Ciro.

“Nossa intenção é manter nosso pleito, até porque é uma prioridade do PCdoB nacional aumentar nossa bancada no Senado. Hoje temos dois senadores, vagas alcançadas a duras penas. Mas há também a intenção de formar essa frente ampla. Vamos com Cid. O PCdoB pode indicar uma suplência. Senadores podem virar governadores ou ministros. Muita coisa pode acontecer. Ainda há muita conversa, mas com prazo para terminar que é o dia 4 de abril.”, insinuou.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas