Psol tentará dobrar bancada

Por Brasil Econômico - Gilberto Nascimento |

compartilhe

Tamanho do texto

Líderes do partido acreditam na eleição ao menos oito parlamentares e o puxador de votos será Chico Alencar

Brasil Econômico

O Psol pretende ao menos dobrar o tamanho de sua bancada no Congresso Nacional na disputa deste ano. Na eleição passada, foram eleitos três deputados: Chico Alencar e Jean Wyllys, do Rio; e Ivan Valente, de São Paulo. O partido elegeu ainda o senador Randolfe Rodrigues, do Amapá, que será candidato à Presidência da República e ainda tem mais quatro anos de mandato no Senado. Os líderes do Psol acreditam que o partido elegerá pelo menos oito parlamentares e o principal puxador de votos mais uma vez será Chico Alencar, do Rio. Outro nome conhecido do partido, a ex-senadora Heloisa Helena (AL) tenta voltar ao cargo. A ex-deputada Luciana Genro (RS) é vice na chapa de Randolfe. Por ser filha do governador Tarso Genro (PT), ela é impedida legalmente de disputar eleições em seu Estado.

Leia outras colunas do Mosaico Político

Juntamente com os votos na legenda, Chico Alencar garantiu uma vaga na Câmara para Jean Wyllys, eleito com pouco mais de 13 mil votos. Agora, a missão do parlamentar do Rio será ajudar o PSTU, com quem o Psol deve se coligar na proporcional também, a eleger um deputado federal pela primeira vez em sua história. Com a visibilidade que teve nos últimos quatro anos, estimam que Wyllys dependerá menos dos votos do colega. Ex-participante do programa Big Brother Brasil, o parlamentar tem atuação destacada em temas relacionados a minorias, em especial a comunidade LGBTT. O PSTU chegou a ter deputado federal quando o hoje senador Lindbergh Farias (PT-RJ) deixou o PCdoB durante o mandato e se filiou à agremiação. Depois, ele concorreu pelo PSTU, mas não se elegeu, pois o partido não atingiu o coeficiente eleitoral. Candidato a governador do Rio neste ano, Lindbergh está no PT desde 2001.

Contra o moralismo judicial

O procurador da República da 3ª Região Osvaldo Capelari se manifestou pela redução da pena de uma condenada pelo uso de moeda falsa. Presa desde 28 de fevereiro de 2012 em razão do flagrante, convertido em prisão preventiva, ela foi condenada a 5 anos em regime semiaberto. Apesar de ser ré primária, a Justiça em primeira instância aumentou a pena, em relação ao mínimo de 3 anos, pelo fato de a mulher ser prostituta e usar drogas. Para o procurador, é um equívoco que essas condições pessoais, no caso, sejam consideradas desfavoráveis e elevem a pena. Sem os ditos agravantes, ela tem direito ao regime aberto e penas alternativas.

Respeito ao ‘blocão’

O líder do PT na Câmara, Vicentinho, disse que não quer briga com o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “Primeiro, temos que respeitá-lo porque ele é hoje o líder do maior bloco na Câmara. Depois, não queremos acabar com o ‘blocão’. Queremos que ele venha para o nosso lado”.

Banda larga chega no Amapá

O governo do Amapá anuncia a chegada, hoje, da banda larga de internet no Estado. Antiga reivindicação da população, a internet de alta qualidade só foi possível depois de uma parceria entre a Oi e a Guiacom, empresa da Guiana Francesa. Ficou mais fácil acessar a rede via Guiana, do que se conectar ao sistema nacional.

Campanha por menos impostos nos remédios

Presidente da Frente Parlamentar para a Desoneração dos Medicamentos, o deputado federal Walter Ihoshi (PSD-SP) trabalha para espalhar a campanha por estados e municípios. Argumenta que o ICMS, estadual, é o imposto que mais pesa sobre os remédios. Ihoshi diz que a redução do preço aumenta o acesso ao produto. Segundo ele, o Paraná viu a arrecadação subir 104% em um ano depois que reduziu a alíquota de 18% para 12%.

*Com Leonardo Fuhrmann

Colaborou Edla Lula

Leia tudo sobre: Mosaico Político

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas