Presidente escolheu peemedebistas para os Ministérios da Agricultura e do Turismo, além de convidar um mineiro ligado ao partido para a pasta de Ciência e Tecnologia

Reuters

Após sofrer derrotas impostas pelo PMDB na Câmara dos Deputados, a presidente Dilma Rousseff escolheu novos peemedebistas para os Ministérios da Agricultura e do Turismo, além de convidar um mineiro ligado ao partido para a pasta de Ciência e Tecnologia, disse nesta quinta-feira uma fonte do Planalto.

O atual secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, assumirá a pasta no lugar do deputado licenciado Antonio Andrade (PMDB-MG), enquanto o ex-prefeito de Ouro Preto Ângelo Oswaldo ficará com o Turismo, no lugar do também deputado licenciado Gastão Vieira (PMDB-MA), segundo a fonte que pediu anonimato.

Leia mais: Dilma peita PMDB e rejeita Vital do Rêgo para ministério pela terceira vez

Câmara: PMDB fecha estratégia para aprovar sua versão do Marco Civil da Internet

Para o Ministério de Ciência e Tecnologia, foi convidado o reitor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Clélio Campolina Diniz.

Dilma Rousseff escolhe peemedebistas na reforma ministerial
Futura Press
Dilma Rousseff escolhe peemedebistas na reforma ministerial

Geller, que entrou em contato na quarta-feira com o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), para informar que aceitaria o convite, já havia construído uma boa relação com a bancada de deputados da legenda, segundo uma fonte do PMDB, e não enfrenta resistência dos deputados.

A bancada peemedebista da Câmara, embora tenha declarado publicamente que não indicará nomes para a reforma ministerial, encara o nome de Geller com "tranquilidade", segundo o presidente em exercício da sigla, senador Valdir Raupp (RO).

Já a escolha de Ângelo Oswaldo, filiado ao partido, não pacifica os ânimos "nem em Minas Gerais", disse Raupp. Oswaldo foi prefeito de Ouro Preto (MG) e atualmente é presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

Presidente do PMDB sobre crise: 'Não podemos é dinamitar as pontes'

Campolina, que possui ligações com o PMDB mineiro, fez parte do Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) e foi convidado duas outras vezes para ocupar uma secretaria no Ministério da Educação, mas não aceitou.

O governo e o PMDB protagonizam a maior crise desde o início do mandato de Dilma. Além de anunciar independência do governo na Câmara, o PMDB comanda um grupo de deputados insatisfeitos que impôs derrotas ao Planalto na Casa, que incluem a aprovação de uma comissão para acompanhar eventuais investigações sobre denúncias envolvendo a Petrobras --que já instalou apuração interna-- e convocações de ministros.

Contrariada com a condução da reforma ministerial, a bancada de deputados do PMDB já havia anunciado anteriormente que não indicaria nomes para a Esplanada.

Raupp avalia que os problemas com os deputados peemedebistas ainda devem perdurar "um pouco", mas tendem a melhorar com as negociações sobre alianças regionais com o PT em "12 ou 13" Estados. Segundo o peemedebista, existe a possibilidade de o partido ocupar a cabeça de chapa em oito ou nove desses Estados, enquanto fecharia aliança em outros cinco ou seis.

Segundo a fonte do Planalto, a indicação dos mineiros Oswaldo e Campolina serve para fortalecer a chapa do ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Pimentel (PT) ao governo de Minas e, ao mesmo tempo, enfraquecer o poderio tucano em um importante colégio eleitoral para a disputa presidencial.

O provável candidato do PSDB à Presidência, senador Aécio Neves (MG), tem seu reduto em Minas e governou o Estado por dois mandatos.

A apresentação dos novos nomes deve ser feita pela presidente nos próximos dias, juntamente com o anúncio da liberação de emendas parlamentares.

A demora na liberação das emendas, aliada à maneira como Dilma conduziu a reforma ministerial, aos problemas de interlocução com o governo, e às negociações para alianças regionais, configurou entre os principais motivos da rebeldia do PMDB.

Segundo duas fontes do governo que acompanham a negociação para liberação de emendas, no último fim de semana a presidente mobilizou os ministérios das Cidades, Saúde, Educação e Turismo para o levantamento das emendas relativas a 2013 que restam para serem liberadas.

Dilma determinou aos ministérios no fim da semana passada, de acordo com essas duas fontes, que o levantamento ficasse pronto para ser apresentado ao PMDB na reunião que manteria com representantes do partido no domingo.

Um importante parlamentar do PMDB que acompanha de perto o foco de insatisfação do partido, confirmou que as emendas serão liberadas, lamentando o atraso na decisão.

"Esses recursos das emendas fazem parte de um acordo do ano passado e deveriam ter sido liberados e só estão saindo agora", afirmou, sob condição de anonimato.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.