Dilma anuncia nova etapa da reforma ministerial com troca de seis ministros

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Esta é a 2ª etapa das mudanças de Dilma em sua equipe. Trocas acontecem nos ministérios do Desenvolvimento Agrário, Cidades, Pesca, Ciência e Tecnologia, Agricultura e Tursimo

A presidente Dilma Rousseff anunciou a substituição de seis ministros nesta quinta-feira (13). As mudanças ocorrem nos ministérios do Desenvolvimento Agrário, das Cidades, da Pesca e Aquicultura, da Ciência, Tecnologia e Inovação, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Turismo.

Leia mais: Dilma peita PMDB e rejeita Vital do Rêgo para ministério pela terceira vez

Câmara: PMDB fecha estratégia para aprovar sua versão do Marco Civil da Internet

Alice Vergueiro/Futura Press
Dilma realiza 2ª etapa da reforma ministerial

O Ministério do Desenvolvimento Agrário, atualmente ocupado por Pepe Vargas, será assumido pelo ex-presidente da Petrobras Biocombustível, Miguel Rossetto, que já ocupou a pasta no governo Lula. Na pasta das Cidades, o vice-presidente de Governo da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, substituirá o atual ministro Aguinaldo Ribeiro.

Clelio Campolina Diniz, reitor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), será o novo titular da Ciência e Tecnologia no lugar de Marco Antonio Raupp. Já o senador Eduardo Lopes (PRB-RJ) ocupará o ministério da Pesca e Agricultura, atualmente conduzido pelo também senador Marcelo Crivella, também do PRB fluminense.

Neri Geller, hoje secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, será o substituto de Antônio Andrade na pasta. Para o lugar de Gastão Vieira no Ministério do Turismo, a presidenta anunciou o gerente de assessoria internacional do Serviço Brasileiro às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Vinicius Nobre Lages.

As mudanças no primeiro escalão têm sido um dos alvos das tensões recentes entre PMDB e PT, que provocaram derrotas recentes ao governo na Câmara dos Deputados. Dilma tem usado a reforma para abrigar novos aliados, com vistas à campanha pela reeleição neste ano, e o PMDB, que atualmente tem cinco ministérios, tem pressionado por mais espaço na Esplanada.

Presidente do PMDB sobre crise: 'Não podemos é dinamitar as pontes'

Os novos ministros tomarão posse na próxima segunda-feira (17), às 17h. De acordo com a Secretaria de Comunicação Social da Presidência (Secom), a presidente Dilma Rousseff agradeceu a dedicação e o empenho dos seis ministros que estão saindo e disse que eles continuarão contando com seu apoio e confiança.

Esta é a segunda etapa da reforma ministerial, iniciada por Dilma há pouco mais de um mês. Gleisi Hoffmann, Alexandre Padilha e Helena Chagas saíram, respectivamente, da Casa Civil, da Saúde e da Secretaria de Comunicação Social (Secom). Aloizio Mercadante assumiu o lugar de Gleisi e foi substituído na Educação por José Henrique Paim. Já a pasta da Saúde foi ocupada por Arthur Chioro, e Thomas Traumann assumiu a Secom.

Os membros do primeiro escalão começaram a deixar seus cargos para se candidatar às eleições de outubro deste ano. No dia 5 de outubro, será realizado o primeiro turno das eleições para presidente da República e governadores dos estados, e serão eleitos senadores e deputados. Quem deseja participar do próximo pleito deve deixar seu posto até 5 de abril, segundo as regras do calendário eleitoral.

Com Reuters e Agência Brasil

Leia tudo sobre: dilma rousseffreforma ministerial

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas