Por acordo com PMDB, Dilma e Lula chamam Temer e Raupp para conversa no domingo

Por Luciana Lima - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Encontro tentará buscar uma solução para a crise entre os dois partidos, antes do retorno de Eduardo Cunha ao Brasil. Bancada na Câmara não acredita em acordo

Para tentar aliviar a tensão entre PT e PMDB e decidir as alianças nos estados, a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamaram o presidente do PMDB, senador Valdir Raupp (RO) e o vice-presidente Michel Temer, para uma reunião, no domingo, no Palácio da Alvorada.

Disputa no Rio: Lula identifica digital de Sérgio Cabral na crise com PMDB

Tensão entre aliados: Para líder do PMDB, PT se engana com o tamanho da crise

No encontro, as quatro querem acertar uma solução para o impasse, antes da reunião da bancada peemedebista da Câmara, que está sendo chamada para a próxima terça-feira. O encontro também antecede a volta do líder do PMDB da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ao Brasil.

Cunha que está na Itália deve retornar a Brasília somente na próxima semana. Ele chega de viagem no domingo. Os petistas querem evitar que a influência do líder atrapalhe as chances de acordo para que prospere a aliança prioritária entre os dois partidos com o objetivo de reeleger a presidente.

O encontro foi combinado nesta sexta-feira (7), pela manhã, entre Raupp e o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, no Palácio do Planalto. Na reunião de 40 minutos, os dois também falaram sobre os cargos que o PMDB terá na reforma ministerial.

Eleições: PSDB e PSB têm alianças mais consolidadas do que PT e PMDB

Na quinta-feira, Lula também conversou com Raupp, pelo telefone, e pediu para o presidente do PMDB já tenha em mãos uma estimativa de onde será possível negociar para que a aliança entre os dois partidos se reproduza nos estados.

O vice-presidente Michel Temer está em viagem a Orlando, nos Estados Unidos, com previsão de chegada neste sábado (8). A presidente Dilma Rousseff, que está descansando na Base Naval de Aratu, na Bahia, retornará a Brasília no domingo. Mercadante também deverá participar do encontro.

Revolta

A bancada do PMDB na Câmara está à espera de Eduardo Cunha para decidir sobre uma possível ruptura. Para isso, os rebeldes querem convocar uma convenção extraordinária do partido, antecipando para março o encontro que ocorreria em abril. A bancada está cética em relação a um possível acordo.

“A solução que eles podem achar não será, com certeza, a nossa. Ele podem achar uma solução fisiológica e nós queremos respeito, valorização e sobrevivência”, disse o deputado Lúcio Vieira Lima, aliado de primeira hora de Cunha.

Os pontos mais caros ao PMDB são as alianças no Rio de Janeiro e no Ceará. Raupp tentará convencer Lula e Dilma a levar o PT para a candidatura do vice-governador Luiz Fernando Pezão ao governo. O PT, no entanto, já decidiu bancar a candidatura do senador Lindbergh Farias ao governo. No Ceará, o PMDB quer o apoio do PT para a candidatura do senador Eunício de Oliveira. Dilma, no entanto, está próxima dos irmãos Cid e Ciro Gomes (PROS) que também lançarão candidato ao governo.

Nos outros estados, a aliança só deverá se reproduzir no Distrito Federal, Amazonas, Sergipe, Amapá, Pará e Mato Grosso.

Leia tudo sobre: pmdbptcâmaradilma roussefflula

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas