Decisão do STF sobre lavagem de dinheiro fica para depois do carnaval

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Se Supremo acolher os infringentes, João Paulo Cunha ficará livre do regime fechado, assim como Dirceu e Delúbio

Agência Brasil

Após a decisão que absolveu do crime de formação de quadrilha oito condenados no processo do mensalão, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) começaram a julgar, na tarde desta quinta-feira (27), os embargos infringentes que questionam a condenação do ex-deputado João Paulo Cunha, do ex-assessor do PP João Claudio Genu e do ex-sócio da corretora Bonus Banval Breno Fischberg pelo crime de lavagem de dinheiro.

Infringentes: STF absolve Dirceu e mais 7 por quadrilha; Barbosa sofre derrota

Kakay ao iG: Fim do mensalão no STF expõe "espetacularização” do Judiciário

Por decisão do plenário, a sessão foi destinada a ouvir apenas os defensores dos condenados e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Com isso, o desfecho do julgamento ficou para o dia 13 de março, após o carnaval,quando o Supremo vai decidir se os três tinham conhecimento dos crimes antecedentes à lavagem de dinheiro, ou seja, de que o dinheiro era oriundo de irregularidades.

Os advogados pediram a absolvição dos clientes. Pierpaolo Bottini, defensor de João Paulo, foi o primeiro a falar. Ele tratou do episódio em que a esposa de Cunha, Márcia Regina, foi encarregada pelo então deputado de sacar R$ 50 mil em espécie no Banco Rural. Foi esse episódio que levou João Paulo a ser condenado por lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Na argumentação do advogado, o então deputado não sabia da origem criminosa dos recursos. 

Ministro Ricardo Lewandowski e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaMinistros Marco Aurélio Mello e Ricardo Lewandowski. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAPresidente do Supremo, Joaquim Barbosa, durante julgamento no STF. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAMinistro Gilmar Mendes durante julgamento do mensalão. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAMinistra Cármen Lúcia durante sessão desta quinta-feira (21). Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAMinistro Luiz Fux. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAMinistro Teori Zavascki. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAMinistra Cármen Lúcia e ministro Gilmar Mendes. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAMinistro Marco Aurélio Mello durante julgamento do mensalão. Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIAO ministro Ricardo Lewandowski e o ministro Dias Toffoli na sessão desta quarta-feira (21). Foto: ALAN SAMPAIO/iG BRASILIA


"Não parece aqui que exista ocultação, que exista dissimulação. A esposa foi ao banco durante o dia, pegou os R$ 50 mil e assinou um recibo", disse Bottini.

Genu foi um '"mero intermediário" dos verdadeiros beneficiários do crime e também não tinha ciência da origem dos recursos recebidos, ressaltou o advogado que o defende, , Maurício Maranhão.

O advogado de Fischberg, Antonio Sérgio Pitombo, também argumentou que o sócio da corretora Bônus-Banval não cometeu crime de lavagem de dinheiro.

Se o Supremo acatar os embargos cujo julgamento teve início hoje, João Paulo, que está preso no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal, terá a pena total diminuída de nove anos e quatro meses, em regime fechado, para seis anos e quatro meses e poderá cumprí-la em regime semiaberto.

Genu e Fischberg, que foram condenados, respectivamente, a quatro anos e três e seis meses, em regime aberto, serão absolvidos do crime de lavagem de dinheiro caso sejam acatados os embargos infringentes.

Veja como ficaram as penas após decisão sobre quadrilha


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas