Em clima de desconforto, STF analisa última etapa do julgamento do mensalão

Por Wilson Lima - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Nos bastidores, ministros se preocupam com risco de a análise de recursos livrar réus do crime de formação de quadrilha

A possibilidade de absolvição pelo crime de quadrilha dos petistas condenados no julgamento do mensalão tem causado um certo desconforto a alguns ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Nesta quinta-feira, o Supremo, durante o julgamento dos embargos infringentes, volta a analisar as condenações pelo crime de quadrilha contra o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, contra o ex-presidente do PT José Genoino e contra o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares.

Leia mais: Supremo nega possibilidade de novos recursos a réus do mensalão

Embargos infringentes: Entenda como recurso pode beneficiar os réus

Mensalão: Ministério Público investiga origem das doações para pagar multas

A etapa de análise dos embargos é a última do julgamento iniciado em 2012, no qual esses réus tiveram quatro votos a favor de sua absolvição pelo crime de formação de quadrilha. Esse placar apertado lhes dá direito a esse novo recurso, que rediscute parte do julgamento.

O incomodo parte principalmente do presidente da Corte, Joaquim Barbosa. No ano passado, no final do julgamento da segunda etapa de recursos (os embargos declaratórios), Barbosa foi um dos principais defensores da não reabertura do caso por meio dos embargos infringentes. Na época, Barbosa classificou os “embargos infringentes” como uma tentativa de se eternizar o julgamento.

O ministro Joaquim Barbosa, presidente do STF. Foto: STF / DivulgaçãoO revisor do mensalão, ministro Ricardo Lewandowiski, disse que mantem seu voto pela absolvição por quadrilha. Foto: STF / DivulgaçãoO presidente do STF, Joaquim Barbosa, é contra a absolvição dos réus condenados por quadrilha no mensalão. Foto: STF / DivulgaçãoFux, relator dos embargos infringentes no mensalão, votou pela manutenção da condenação por formação de quadrilha. Foto: STF / DivulgaçãoO ministro Luiz Fux, relator dos embargos infringentes no mensalão. Foto: STF / DivulgaçãoNovato na Corte, ministro Luís Roberto Barroso votou pela absolvição dos réus condenados por quadrilha no mensalão. Foto: STF / DivulgaçãoMinistro Luís Roberto Barroso concede entrevista após sessão do STF. Foto: STF / DivulgaçãoSupremo Tribunal Federal retoma julgamento do mensalão. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaPresidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, durante o julgamento. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaMinistros retomam julgamento de recursos do mensalão . Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaMinistro Luís Roberto Barroso, o mais novo na composição do STF. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaO ministro Teorí Zavascki participa do julgamento de recursos do mensalão. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaA ministra Rosa Weber participa do julgamento de recursos do mensalão. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaO ministro Luiz Fux participa do julgamento de recursos do mensalão. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaDa esquerda para direita: os ministros Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaO ministro Gilmar Mendes participa do julgamento de recursos do mensalão. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaA ministra Cármen Lúcia participa do julgamento de recursos do mensalão. Foto: Alan Sampaio / iG Brasília


Outro ministro contrário à retomada do julgamento, mesmo para casos em que os réus obtiveram quatro votos a favor de sua absolvição, foi Gilmar Mendes. No ano passado, ele chegou a ironizar o efeito dos embargos infringentes. “Por que não reabrir o julgamento para o réu que obteve só um voto (a favor de sua absolvição)?”, questionou na época.

Nos corredores do Supremo, acredita-se que a chegada dos ministros Teori Zavascki e Luís Roberto Barroso ao tribunal possa gerar mudanças no resultado do julgamento do mensalão. Na época do julgamento do mensalão, as cadeiras ocupadas hoje por eles pertenciam a Cezar Peluso e Carlos Ayres Britto.

Mensalão: Defesa aposta em mudança no STF para livrar réus de crime de quadrilha

Laudo sobre aposentadoria de Genoino deve sair até a próxima semana

Foi com sua composição anterior que o STF condenou o núcleo do PT também pelo crime de formação de quadrilha, num entendimento considerado na época pelo meio jurídico como uma “inovação”. Isso porque, antes do julgamento do mensalão, o entendimento na Corte era o de que ninguém poderia ser condenado por esse delito caso não tivesse qualquer participação no planejamento do ato criminoso.

Essa nova abordagem não foi compartilhada, na época, pelos ministros Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Rosa Weber e Cármen Lúcia. Acredita-se que Zavascki e Barroso também tenham posição semelhante. Durante o julgamento dos chamados embargos declaratórios, eles indicaram que qualquer alteração nas condenações do Supremo somente poderia ser feita por meio de embargos infringentes. Os dois ministros trabalharam em seus respectivos votos sobre os recursos até esta quarta-feira, véspera do julgamento.

Dirceu, Delúbio e Genoino já cumprem pena, em regime semiaberto, pelo crime de corrupção ativa mas esperam a definição do Supremo quanto ao crime de quadrilha. Dirceu e Delúbio podem sofrer uma regressão de regime caso o STF não acate seus embargos infringentes.

Dirceu cumpre 7 anos e 11 meses por corrupção ativa, mas foi condenado a mais 2 anos e 11 meses por quadrilha. Somente se o STF confirmar a condenação de Dirceu por quadrilha é que o ex-ministro-chefe da Casa Civil cumprirá pena em regime fechado. Já Delúbio pode ter sua pena total de 8 anos e 11 meses reduzida para 6 anos e 8 meses. O ex-tesoureiro já cumpre essa pena menor. Já o ex-presidente do PT, caso o STF acate seus embargos infringentes, teria sua pena reduzida de 6 anos e 11 meses para 4 anos e 8 meses.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas