Para Aécio Neves, renúncia de Azeredo não interfere no cenário eleitoral

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidenciável tucano minimizou a decisão do deputado federal que deixou o cargo às vésperas do julgamento do mensalão mineiro: 'Ele vai se dedicar agora à sua defesa'

Reuters

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidente da sigla e pré-candidato à Presidência da República, minimizou a renúncia do deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG), denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) na ação penal que investiga o escândalo que ficou conhecido como mensalão mineiro.

Aécio afirmou que a decisão de Azeredo reflete uma posição pessoal e de foro íntimo, e negou ainda ter havido pressão do partido para que renunciasse. "Não vejo nenhuma interferência (no cenário eleitoral)", disse Aécio. "Decisão de foro íntimo, que tem de ser respeitada e ele vai se dedicar agora à sua defesa", acrescentou.

Mensalão mineiro: Azeredo renuncia ao mandato e compara denúncia à inquisição

A Secretaria-Geral da Câmara confirmou que a carta de renúncia do deputado foi entregue ao presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

Futura Press
Aécio Neves minimiza impacto da renúncia de Azeredo na campanha eleitoral

O deputado do PSDB foi denunciado pela PGR por peculato e lavagem de dinheiro no mensalão mineiro, ou mensalão tucano, como ficou conhecido o suposto esquema de desvio de verbas públicas em Minas Gerais para o caixa de campanha de Eduardo Azeredo à reeleição do governo estadual em 1998.

O esquema é considerado como o embrião do mensalão petista, que se caracterizou pela compra de apoio político no Congresso durante o primeiro mandato do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Importantes lideranças do PT, como o ex-presidente da sigla José Genoino e do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, foram condenados pelo STF e estão presos.

O empresário Marcos Valério, condenado pelo STF no processo do mensalão petista por ter operado o esquema, também é citado no caso do mensalão tucano.

Na semana passada, o relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, afirmou que daria celeridade ao julgamento. Além de descolar as denúncias da campanha eleitoral do PSDB, a renúncia de Azeredo pode levar o processo à primeira instância do Judiciário, já que o político perde o foro privilegiado.

O presidente do Diretório PSDB em Minas Gerais, deputado Marcus Pestana, afirmou que fará um pronunciamento no fim da tarde desta quarta sobre a renúncia.

Leia tudo sobre: aécio nevesazeredomensalão mineiroeleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas