Primeiro suplente informou que não vai assumir por ser prefeito de Montes Claros. Com isso, Edmar Moreira deve voltar à Câmara dos Deputados

O ex-deputado Edmar Moreira (PTB-MG)
Agência Câmara
O ex-deputado Edmar Moreira (PTB-MG)

Edmar Moreira (PTB-MG), que ficou conhecido como o deputado do castelo, pode assumir a vaga de Eduardo Azeredo (PSDB-MG) na Câmara. Azeredo, que responde a ação penal no processo do mensalão mineiro, renunciou ao mandato nesta quarta-feira.

O primeiro suplente a ser chamado é Rui Adriano (PSDB-MG), que já informou, por meio de nota, que vai recusar a convocação por ser prefeito de Montes Claros, em Minas Gerais, segundo informações de O Tempo . Com isso, o caminho está aberto para Moreira.

Mensalão mineiro: Azeredo renuncia ao mandato

Para Aécio Neves, renúncia de Azeredo não interfere no cenário eleitoral

O político ficou conhecido em 2009, quando era corregedor da Câmara, em meio a denúncias de sonegação fiscal e enriquecimento ilícito. Foi chamado de “deputado do castelo”, por ser dono de uma propriedade em estilo medieval em São João Nepomuceno, interior de Minas Gerais.

Castelo alvo de denúncia que envolveu Edmar Moreira está à venda em Minas Gerais
LEO FONTES / O TEMPO
Castelo alvo de denúncia que envolveu Edmar Moreira está à venda em Minas Gerais

O castelo, que teve sua obra iniciada em 1982 e finalizada em 1990, custou cerca de R$ 10 milhões. Segundo a justiça eleitoral, o imóvel não constou da declaração de bens de Edmar Moreira, apenas o terreno foi declarado. Na época, o então deputado disse que não declarou a propriedade porque havia repassado o castelo aos filhos. Este ano, um dos filhos de Moreira, o deputado estadual Leonardo Moreira, colocou à venda a propriedade, mas não divulgou o valor do imóvel. Em 2009, o castelo foi avaliado em R$ 25 milhões.

Moreira, na época, virou alvo de pedido de cassação, que foi rejeitado pelo Conselho de Ética. Em 2010 se candidatou pelo PR, mas ficou apenas na suplência.

A volta dele à Câmara dos Deputados, agora pelo PTB, tem um entrave: o político foi eleito pelo PR e a vaga, segundo a lei eleitoral, pertence ao partido, e não ao candidato. Procurado pelo iG , o PR informou que ainda vai avaliar o caso, mas só depois que Moreira assumir a vaga de deputado. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.