Padilha faz releitura das caravanas de Lula e percorrerá interior de São Paulo

Por Natália Peixoto - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

‘Serão eventos fechados com a sociedade civil, prefeitos, empresários', disse o presidente do PT paulista. Viagens terão custo de R$ 150 mil/mês e devem contar com Lula

O pré-candidato do PT ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, começa na próxima sexta-feira (7), a sua própria edição das caravanas petistas. No modelo das viagens feitas em 2002 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Padilha irá viajar pelo interior do Estado para se apresentar e conhecer as lideranças locais. "Nós iremos levantar subsídios para elaborar o futuro programa de governo", disse a jornalistas o presidente do PT estadual paulista, Emidio de Souza nesta terça-feira (4).

Poder Online: Biagi fará jantar para aproximar Padilha de empresários

Blogo do Kennedy: ‘Há cansaço em relação à figura de Alckmin

Elza Fiúza/ ABr
Padilha percorrerá o interior de São Paulo antes do lançamento oficial de sua candidatura

A primeira das mais de 10 caravanas do ex-ministro da Saúde irá durar uma semana, e irá percorrer 13 cidades: Igarapava, São Joaquim da Barra, Ribeirão Preto, Brodowski, Barretos, Sertãozinho, Pirassununga, Leme, Araras, Limeira, Piracicaba, Americana e Campinas. Palco da derrota de Márcio Pochman (PT) para Jonas Donizette (PSDB) em 2012, e cidade onde Padilha cursou a faculdade de medicina, Campinas receberá a atenção do petista por dois dias.

Padilha irá percorrer as cidades a bordo de um ônibus do PT, adaptado para ser um "gabinete ambulante". Ele foi equipado para receber reuniões durante as viagens, que contarão com uma equipe de assessores técnicos para documentar as sugestões e pedidos nas cidades visitadas. Esta semana, Padilha foi contratado como funcionário do diretório estadual do PT, com salário de R$ 10 mil.

Emidio diz que nas viagens serão realizados eventos fechados para militância, lideranças e empresários locais, respeitando a legislação eleitoral. "Não há campanha, nós não estamos em período eleitoral. Serão eventos fechados com a sociedade civil, prefeitos, empresários, tudo para descobrirmos as aspirações de desenvolvimento de cada região", explicou. "A preocupação é dialogar para além da base eleitoral do PT. Se nós quisermos nos apresentar como alternativa para os 20 anos de PSDB (no governo de São Paulo), nós temos que elaborar um programa de governo vigoroso."

Nos eventos, serão aguardadas as presenças de lideranças petistas como o senador Eduardo Suplicy, ministros e o ex-presidente Lula. Nesta primeira edição da caravana, o ex-presidente estará presente nos eventos em Ribeirão Preto, onde participará de um jantar oferecido pelo empresário do setor sucroalcooleiro Maurílio Biagi, recém-filiado ao PR, na própria sexta. Biagi é um dos cotados a ser vice de Padilha, mas Emídio desconversou sobre a possível chapa e disse que o evento é uma homenagem do empresário, em um "ato de recepção ao Padilha, agora não como ministro".

Segundo estimativa do partido, as caravanas custarão entre R$ 130 e R$ 150 mil por mês, e serão realizadas durante todo o primeiro semestre. O presidente do PT paulista negou que elas sirvam para expor o pré-candidato, driblando a lei eleitoral. "Se o objetivo fosse esse, ele teria ficado no ministério, onde tinha muito mais exposição", defendeu.

Leia tudo sobre: padilhacaravanaseleições 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas