Eduardo Campos e PPS formalizam aliança para disputa eleitoral

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

O governador de Pernambuco e a ex-senadora Marina Silva se reuniram com Roberto Freire para dar início às negociações dos palanques regionais na eleição

O pré-candidato à Presidência e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e o PPS formalizaram nesta terça-feira a aliança das duas legendas para a disputa eleitoral. Campos e a ex-senadora Marina Silva, que deve ser sua vice na chapa, reuniram-se com o presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP), em Brasília, para dar início às negociações dos palanques regionais e entregar o documento com as diretrizes do seu programa de governo.

Blog do Kennedy: Marina aceita ser vice de Eduardo Campos

Divulgação PPS
PPS, de Roberto Freire, oficializa apoio à candidatura de Eduardo Campos

No final do ano passado, Freire já havia anunciado que apoiaria Campos na disputa presidencial. A decisão veio depois de Freire ter tentado filiar o tucano José Serra e Marina Silva, que não conseguiu o registro para seu partido, a Rede Sustentabilidade, para que o partido tivesse uma candidatura própria à Presidência. Freire disse que a aliança "era natural" e essa é uma "candidatura capaz de levar alternância do poder no Brasil".

Campos, que preside o PSB, disse que é uma alegria ter o PPS ao seu lado e que os partidos estiveram juntos na luta pela redemocratização. O governador afirmou ainda que nos últimos dois anos o Brasil vive uma situação preocupante e que "está jogando fora" partes das conquistas das últimas décadas. "O Brasil parou... tendo uma dinâmica econômica menor que seus vizinhos", disse.

Preocupado com eleição, PT pretende abandonar João Paulo Cunha

Marina afirmou a jornalistas que a definição sobre sua condição de vice na chapa de Campos será decidida por ele no momento adequado. Ela voltou a defender que a coligação tenha um candidato próprio em São Paulo, o que contraria parte do PSB.

Debates regionais

Durante o evento, Campos lembrou que muitos filiados às duas legendas apoiaram o governo Lula. “Ninguém aqui se arrepende deste apoio, mas, da mesma forma, tivemos capacidade de sair pela porta da frente e dizer que o novo pacto não tolera mais o velho pacto político que mofou e que não vai dar nada de bom para o povo brasileiro”, afirmou.

Mesmo com os principais pontos do pré-programa definidos, Campos e Marina explicaram que as propostas ainda serão debatidas regionalmente. Pelo calendário divulgado, o primeiro encontro ocorrerá no próximo dia 22, em Porto Alegre, seguido pelo Rio de Janeiro, dia 15 de março, Recife, no dia 22 de março, por Goiânia, no dia 12 de abril, e Manaus, em 26 de abril. Apenas depois desses debates, a aliança concluirá o texto final do programa de governo que será apresentado na convenção do partido em junho.

Com Reuters e Agência Brasil

Leia tudo sobre: redeppspsbcamposmarinaroberto freire

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas