Dilma convoca reunião de emergência após protesto violento, diz jornal

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo tenta evitar que tumulto se espalhe pelo País e polícia reaja de forma violenta, como ocorreu em junho

A presidente Dilma Rousseff programou uma reunião de emergência após protesto violento contra a Copa do Mundo que deixou um manifestante baleado e 128 detidos em São Paulo no último sábado (25). De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, participarão do encontro os ministros José Eduardo Cardozo, da Justiça, Celso Amorim, da Defesa, e Aldo Rebelo, dos Esportes. Dilma ainda estava em Portugal, a cmainho de Cuba, quando foi informada da onda de vandalismo durante o protesto.

Conheça a home do Último Segundo

Maioria dos detidos em protesto de SP é jovem e mora na periferia

Manifestante é baleado por PMs depois de protesto

Veja fotos do protesto em São Paulo:

Ônibus é depredada na rua Augusta. Foto: Vitor SoranoConcessionária de carros teve vidros quebrados por manifestantes. Foto: Vitor SoranoManifestantes em frente à Prefeitura de São Paulo. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa no Brasil. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa do Mundo no Brasil. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor Sorano

De férias, Cardozo volta ao trabalho nesta terça-feira (28) e terá de lidar com formas de evitar que os tumultos se espalhem pelo País e evitar a ação violenta da polícia, que na avaliação do governo serviu como estopim para a radicalização dos movimentos de junho do ano passado.

Leia tudo sobre: políciabrasiligspspprotestomanifestaçãonão vai ter copacopa do mundoviolência

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas