Barbosa diz que não pediu prisão de João Paulo por 'falta de tempo'

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O presidente do STF afirmou não saber por que seus colegas ainda não mandaram prender o deputado

BBC

O presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro Joaquim Barbosa, disse não ter expedido o mandado de prisão contra o deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP) por falta de tempo, já que saiu de férias um dia antes de decidir pela detenção do parlamentar, condenado no julgamento do mensalão.

O presidente do STF explicou que assinou a decisão de prender o parlamentar na última segunda-feira, às 18 horas, pouco tempo antes de pegar um voo para o exterior.

Conheça a home do Último Segundo

Câmara adia decisão sobre destino político de João Paulo Cunha

Leia também: Barbosa sai de férias sem expedir ordem de prisão de Cunha

“Saí de casa à 1h da manhã. Só depois de divulgada a decisão é que se emite o mandado, se fazem as comunicações à Câmara dos Deputados, ao juiz da Vara de Execuções. Nada disso é feito antes da decisão. Portanto, eu não poderia ter feito isso, pois já estava voando para o exterior”, disse Barbosa ao ser surpreendido por jornalistas brasileiros quando deixava a Universidade Sorbonne, em Paris, onde cumpre agenda oficial.

O ministro afirmou, ainda, que não sabe por que seus colegas que o substituíram à frente do STF ainda não expediram o mandado de prisão contra João Paulo Cunha. “O presidente do STF responde pelo tribunal no período em que estiver lá, à frente. Responde sobretudo a questões urgentes. Se é urgente ou não é avaliação que cada um faz”, afirmou Barbosa.

Delúbio lança campanha virtual para arrecadar recursos

Após sair de férias, a presidência do Supremo foi interinamente ocupada pela ministra Cármen Lúcia, que não assinou a ordem de prisão contra o deputado. “Não sei qual foi a motivação. Ela não me telefonou, não falou comigo”, disse Joaquim Barbosa, ao lembrar que “o ministro que estiver lá, de plantão, pode praticar o ato”.

“Se eu estivesse como substituto jamais hesitaria em tomar essa decisão”, afirmou o magistrado. Para o ministro, a única consequência do atraso na prisão do parlamentar é que “a pessoa condenada ganhou um mês de liberdade a mais.”

'Grande bobagem'

Barbosa também comentou a recente polêmica motivada por sua viagem à Europa. O magistrado, que está de férias do cargo, decidiu interromper o período de descanso para assumir 11 dias de compromissos oficiais em Paris e Londres. Para isso, receberá R$ 14.142,60, em diárias pagas pelo STF.

Apesar de garantir não ter lido sobre a polêmica, que há quase uma semana ocupa jornais e sites de notícias brasileiros, Barbosa disse que não vê problemas nisso. “Isso é uma grande bobagem, uma coisa pequena. Eu sou presidente de um dos poderes da República. Qualquer servidor que se desloca em serviço recebe diárias”, explicou.

Além de proferir uma palestra na próxima sexta-feira, à convite da Sorbonne, o presidente do STF também encontrará representantes do Executivo e do Judiciário franceses. Em Londres, Barbosa tem agenda mais cheia, que inclui uma palestra no King’s College, visita à Biblioteca Britânica e reunião com parlamentares do país.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas