Padilha: 'Dilma vai escolher o melhor substituto'

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Pré-candidato ao governo de SP não disse quando deixará o Ministério. Pela lei eleitoral, ele tem até o início de abril para deixar a função a fim de concorrer

Agência Estado

O ministro da Saúde e provável candidato do PT ao governo do Estado de São Paulo, Alexandre Padilha, afirmou nesta quinta-feira, 16, que a presidente Dilma Rousseff irá definir o "melhor substituto" para a pasta que comanda. "O Ministério não vai parar porque a presidenta Dilma vai escolher o melhor substituto para o Ministério não parar", afirmou Padilha, em entrevista coletiva na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), na qual o ministro falou principalmente de mudanças nas regras de venda de medicamentos similares.

Conheça a home do Último Segundo

Padilha disse que a decisão sobre quem vai sucedê-lo cabe exclusivamente à presidente Dilma Rousseff. E que não cabe a ele "sugerir ninguém". "Ela que conduz esse processo e tenho certeza absoluta que ela vai escolher o melhor nome para que o Ministério da Saúde não só não pare, como seja cada vez melhor", afirmou.

Leia também: PT paulista insiste em união com PTB por candidatura de Alexandre Padilha

O ministro não disse quando deixará o Ministério. Pela legislação eleitoral, ele tem até o início de abril para deixar a função a fim de concorrer a cargos eletivos em outubro.

Reportagem do jornal O Estado de S.Paulo publicada no domingo revelou que Padilha e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, duelam para apadrinhar o nome titular da pasta. De um lado, o próprio ministro se esforça para fazer como sucessor o secretário responsável pelo programa Mais Médicos, Mozart Sales. De outro, o titular do Desenvolvimento sonha em ampliar seus poderes na área, por meio do mineiro e também secretário da pasta Helvécio Magalhães.

A disputa envolve o ministério de maior orçamento - R$ 100,3 bilhões em 2014 -, a Saúde, que abriga o Mais Médicos. O programa caiu nas graças da população, é considerado trunfo na campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff e nas disputas estaduais - seja para Padilha, seja para Pimentel, candidato a governador de Minas.

Leia tudo sobre: PadilhaEleiçõesMinistério da Saúde

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas