Por novas regras na rede

Por iG São Paulo , Sônia Filgueiras |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo ministro Paulo Bernardo, regras que garantam proteção à privacidade, respeito à soberania e liberdade de navegação na rede são as prioridades brasileiras

Uma das missões do ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, na reunião anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, neste mês, será levar as posições brasileiras sobre segurança das informações e privacidade dos usuários da Internet. O ministro participará de um painel sobre este tema durante o evento. Em outra frente, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, está empenhado em tornar uma conferência mundial sobre o tema, que ocorrerá no Brasil em abril, o marco inicial da criação de uma espécie de declaração de princípios globais sobre como devem ser tratadas as informações públicas e privadas que transitam pela web, aceitas por todos. “Na prática, a informação que circula hoje na rede é controlada pelos americanos”, diz Paulo Bernardo.

Segundo Paulo Bernardo, regras que garantam mais proteção à privacidade, respeito à soberania e liberdade de navegação e de expressão na rede são as prioridades brasileiras. O ministro defende que informações privadas armazenadas no espaço virtual só possam ser divulgadas por ordem da Justiça amparada em lei do país que as originou. Seria uma vacina contra as ações de espionagem dos EUA em outros países, entre eles no Brasil e comunicações da presidente Dilma Rousseff. Também evitaria situações como a de um caso julgado pelo STJ, no qual o Google Brasil chegou a alegar que não poderia cumprir uma determinação judicial de quebra de sigilo na investigação de um caso de lavagem de dinheiro sob a justificativa de que os dados estavam armazenados nos Estados Unidos e, portanto, sujeitos à legislação daquele país.

Confraternização na Fiesp

Presidente da Fiesp e pré-candidato ao governo paulista, Paulo Skaf (PMDB), aproveitou as festas de fim de ano para se confraternizar com representantes de 17 entidades representativas dos políciais militares do Estado. Também participaram do almoço, realizado na sede da federação das indústrias, o ex-governador Luiz Antônio Fleury Filho e o consultor de segurança da entidade, Antônio Ferreira Pinto, que ocupou as secretarias de Administração Penitenciária e Segurança Pública nas gestões de Serra e Alckmin. Fleury é coordenador da pré-campanha de Skaf e Ferreira Pinto deve ser candidato pelo PMDB a deputado federal.

PDT discute candidatura nacional

O PDT fará uma reunião na próxima quinta-feira para discutir a posição do partido nas eleições de 2014. Existe um movimento interno em defesa da candidatura presidencial do senador Cristovam Buarque (DF). A decisão sobre a eleição nacional deve orientar também o comportamento do partido nos estados e no Distrito Federal. Na capital federal , Cristovam defende a candidatura ao governo do deputado federal José Antônio Reguffe, que foi proporcionalmente o mais votado do Brasil em 2010 e é próximo da Rede, de Marina Silva. O PSB, do qual a Rede faz parte, pretende lançar a candidatura do senador Rodrigo Rollemberg.

Preocupação interna

Apesar dos recordes positivos na taxa de empregos no final de 2013, dois setores fortes do sindicalismo ligado ao partido terminaram o ano preocupados. Bancários e metalúrgicos tiveram cortes nos postos de trabalho.

Com a foice na mão

Embora próxima da presidente Dilma, a presidente da Confederação Nacional da Agricultura, senadora Kátia Abreu, segue em guerra com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. “É o ministro da injustiça. Não sou contra a rápida retirada de agricultores de áreas indígenas. Quero tratamento igual na retirada de índios de terras de agricultores”.

“Eu me protegi na política. Não fui para a guerra. A batalha estava ali e eu me protegi. Não era ano de eleição”, disse Renato Casagrande (PSB), governador do Espírito Santo, sobre os embates pré-eleitorais no ano passado

Leia tudo sobre: políticaregrasrede

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas