Em prisão domiciliar, José Genoino muda endereço pela terceira vez

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Preso em São Paulo, o ex-dirigente do PT foi trazido para Brasília junto com outros condenados no mensalão

Agência Estado

Condenado em regime semiaberto no processo do mensalão, o ex-presidente do PT José Genoino trocou de endereço por pelo menos três vez nos últimos 40 dias. A última mudança ocorreu nesta sexta (3) e segundo advogados do petista a decisão foi comunicada na véspera ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Conheça a home do Último Segundo

Genoino renuncia ao mandato de deputado para evitar cassação

Genoino se diz inocente: ‘Jamais acumulei patrimônio ou riqueza’

Futura Press
O ex presidente do PT José Genoino se entregou na sede da PF em novembro

Após deixar no último dia 24 de novembro o Instituto de Cardiologia do Distrito Federal, onde estava internado, o petista teria passado alguns dias no apartamento da filha caçula, no bairro Guará II. Pouco depois se mudou para uma casa, que seria de propriedade do sogro da filha, localizada no Lago Sul, bairro de classe média da capital.

Leia tudo sobre o julgamento do mensalão

Segundo o advogado de Genoino, Luiz Fernando Pacheco, o petista deixou a residência do sogro ontem. "Ele foi uma pessoa generosa que acolheu o Genoino. Mas diante da negativa do STF de autorizar que o Genoino cumprisse pena em São Paulo decidiu-se procurar outro endereço", disse Pacheco. O advogado não quis revelar o novo local nem de quem seria a propriedade.

A decisão de negar a transferência do petista para que ele cumprisse prisão domiciliar em São Paulo foi tomada pelo presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, no último dia 27 de dezembro. Na ocasião, o ministro, relator do processo do mensalão, chegou a afirmar que a chance de Genoino voltar para a penitenciária da Papuda do Distrito Federal era "forte".

Leia também:

PT defende medidas contra Barbosa por 'abusos' nas prisões do mensalão

Barbosa autoriza prisão domiciliar ou hospitalar de Genoino até perícia médica

Preso em novembro em São Paulo, o ex-dirigente do PT foi trazido para Brasília junto com outros condenados no processo do mensalão, como o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. O ex-deputado ficou menos de uma semana no complexo penitenciário da Papuda, em Brasília. Deixou o estabelecimento após reclamar de problemas cardíacos. Depois de ter passado por uma avaliação médica, ele foi autorizado a cumprir a pena em prisão domiciliar.

Na decisão do final de dezembro, Joaquim Barbosa estabeleceu um prazo de 90 dias, contados desde 21 de novembro, para Genoino ficar em prisão domiciliar em Brasília. Ao fim desse prazo, Barbosa decidirá, após reavaliação do estado de saúde, se o ex-presidente do PT voltará a cumprir pena na prisão em regime semiaberto pela condenação por corrupção ativa.

Segundo Luiz Fernando Pacheco está prevista para a próxima terça-feira (7) uma avaliação de rotina por parte da equipe médica do Hospital Sírio Libanês de São Paulo do quadro de saúde do petista, submetido a cirurgia cardíaca em meados de 2013. Devido à negativa no pedido de transferência do petista, a alternativa estudada é que uma equipe do hospital em Brasília faça as análises. "Genoino não tem condições de arcar com os custos da vinda da equipe de São Paulo, uma possibilidade é o doutor Kalil indicar alguém da cidade", afirmou Pacheco.

Leia tudo sobre: POLÍTICAmensalãojulgamento do mensalãogenoino

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas