Valério pede transferência de Brasília para presídio em Minas Gerais

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Objetivo, segundo a defesa, é facilitar as visitas familiares do empresário. Pedido foi entregue ao STF na segunda (23)

Agência Estado

O empresário Marcos Valério, condenado pelo esquema do mensalão, solicitou transferência de Brasília para Belo Horizonte (MG). O pedido foi entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF) na segunda-feira (23). Valério foi condenado a 40 anos, um mês e seis dias de prisão em regime fechado, além do pagamento de uma multa de R$ 2.783.800.

Conheça a home do Último Segundo

Três condenados do mensalão são transferidos para Minas Gerais

Frederico Haikal / Wesley Rodrigues/Hoje em Dia / Futura Press
Marcos Valério (de vermelho) quando se entregou à Polícia Federal (arquivo)

De acordo com Marcelo Leonardo, advogado do preso, as viagens semanais de Belo Horizonte a Brasília feitas pela família são muito onerosas. Outro motivo apresentado pela defesa é a idade avançada da mãe de Valério, que não teria condições de viajar de avião para visitar o filho.

Até o momento, o Supremo concedeu transferência para oito condenados no processo do mensalão. O advogado de Valério informou que já havia solicitado uma vaga no sistema prisional mineiro e obteve resposta positiva.

Leia mais:
Em ano pós-mensalão, ações contra políticos batem recorde no STF
Barbosa diz que STF rompe ‘longa tradição’ ao mandar prender políticos
Ilegalidades marcam prisões do mensalão

A vaga foi disponibilizada na penitenciária de segurança máxima Nelson Hungria, onde também estão os ex-dirigentes do Banco Rural José Roberto Salgado e Vinícius Samarane. O presídio é o mesmo onde cumpre pena o ex-goleiro Bruno Fernandes, condenado pelo assassinato e omissão do cadáver de Elisa Samudio.

A decisão pela transferência agora depende do presidente do STF, Joaquim Barbosa, que responde pelo plantão da Corte durante o recesso de fim de ano. Marcelo Leonardo informou ainda que o pedido não tem nenhuma relação com o tratamento dado a seu cliente em Brasília. Segundo ele, Valério não fez nenhuma reclamação sobre a penitenciária da Papuda, onde se encontra atualmente.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas