Oposição manobra e impede votação do orçamento de São Paulo

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo tentou até o último minuto, mas não conseguiu aprovar projeto de 2014. Votação ficou para hoje (18)

O líder do governo, Arselino Tatto (PT) tentou, mas não conseguiu aprovar o projeto do orçamento de 2014 para São Paulo. O petista colocou na pauta o orçamento e outros oito projetos do governo, e conseguiu aprovar tr:es, levando a sessão até às 23:59 da terça-feira (17). Como a Casa não convocou sessões para a madrugada de quarta, o projeto nem chegou a ser votado, e o projeto ficou para esta quarta.

O substitutivo, já com as emendas, prevê R$ 50,7 bilhões de orçamento para a capital. Desse total, R$ 805,6 milhões terão sua execução congelada até a definição da Justiça sobre a validade do aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), suspenso devido a um questionamento do Ministério Público (MP) sobre os procedimentos da votação na Casa. Entre os valores congelados, estão R$ 249,86 milhões da secretária de Educação, R$131,76 milhões da secretaria de Transportes e R$ 146,128 do Fundo Municipal de Saúde. Outra consequência do indefinição dos recursos está a redução para R$ 1 mil a reserva de contingência, verba usada para emergências, que quase zerou os R$ 110 milhões previstos.

O líder do PSDB, Floriano Pesaro, que no início da sessão sinalizou a favor da votação do orçamento, comandou a obstrução das votações, reclamando da "intransigência" do governo com os vereadores. "A arrogância do governo produziu esse resultado, que foi a derrota do governo e a não aprovação do orçamento", disse Pesaro, que reivindica mais verbas para educação e assistência social.

Leia tudo sobre: igspOrçamento 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas